Nova Perspectiva

22 de janeiro de 2016

Hoje eu te agradeço por ter sido um babaca

Via reprodução
Dizem que eu enxergo o amor de uma forma madura demais pra minha pouca idade, devo isso a você. Aliás, devo muito a você. Mas, contrariando o que as pessoas pensam, eu não acredito que vejo o amor com toda essa maturidade, na verdade, a gente sabe, é bem mais complexo que isso. Eu só o vejo com o olhar de quem descobriu de um jeito feio que ele é bem diferente do que os contos de fada nos ensinam. Quando eu te conheci tive certeza de que você era o meu príncipe encantado moderno, eu fantasiei um futuro em que ficávamos juntos e acreditei que você também queria que fosse assim, porque era o que você dizia. Lembra? Cê fazia promessas e eu, com a minha inocência de quem tá vivendo o primeiro amor, me convencia de o que existia entre a gente era algo muito maior do que aquilo que as palavras podiam explicar.

Foi triste ver o príncipe do meu sonho encantado virar sapo, mas dessa transformação eu tirei muita coisa. A minha mudança veio da decepção de ver escorrer pelos meus dedos tudo aquilo que eu tinha planejado pra minha vida. Eu cresci uns trocentos anos depois que você transformou a nossa história em pó, toda aquela dor que eu senti, todo aquele aperto no peito que quase me matou, tudo aquilo que eu achei que não ia conseguir superar foi o que me deu força pra resistir e sobreviver. E eu sobrevivi. Foram semanas, talvez meses, sobrevivendo e esperando algum milagre acontecer e colocar tudo de volta no lugar, mas a casa continuava com o seu cheiro e a sua cadeira na mesa de jantar vazia, o mundo não te trouxe de volta pra mim, então eu resolvi me trazer pra cá. Eu levantei sem que houvesse ninguém pra me apoiar e forcei os primeiros passos passar até se tonar mais fácil andar. Eu fui seguindo em frente e te deixando pra trás.

Se você não tivesse sido um babaca eu não teria descoberto que uma história só é de amor quando não envolve jogo, quando não há trapaça. Se você não tivesse agido como um menino mimado lutando pra dilacerar mais um coração eu não teria me dado conta de que não preciso de ninguém pra ninguém pra ser feliz. Eu posso me fazer feliz sozinha. Eu tive que me fazer feliz sozinha quando me dei conta de que não suportava mais toda aquela imensidão de lágrima e amargura e melancolia. Eu tive de dar um jeito na minha vida pra que ela voltasse a clarear e eu fiz isso sozinha. Eu trouxe o sol de volta sem precisar da ajuda de ninguém pra ensolarar meus dias. Foi isso que me transformou em alguém diferente, talvez mais madura, talvez mais esperta, talvez, só talvez, desconfiada demais pra me jogar em qualquer historinha que pareça ser bonita.

Se você não tivesse feito tudo aquilo eu jamais teria aprendido todas as coisas que eu aprendi, eu nunca teria descoberto que amor, mas amor de verdade, não dói, amor salva. Foi me amando que eu me salvei. Obrigada por ter me mostrado que sou muito melhor que você, se não fosse isso eu jamais teria entendido que pra ser real e concreto não basta ter promessas, não adianta falar que sentiu saudades ou sonhou comigo, é preciso que haja provas, é preciso que a campainha toque no meio da noite, que as flores apareçam no meio do expediente e o eu te amo seja dito vomitado, sem pressão, sem teatro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.