Nova Perspectiva

21 de janeiro de 2016

E se essa for a nossa última chance?

Via reprodução
Eu sei que talvez nós não tenhamos sido feitos pra encenar um desses romances que duram a vida inteira. Talvez a gente não seja um desses amores que trazem paz e ordem e calma e que envelhecem juntos numa casa de cerca branca com os netos correndo pelo quintal. Eu sei que talvez eu devesse pensar menos e fantasiar menos e querer menos e te esquecer mais. Eu sei que talvez o mais sensato fosse cair fora enquanto da tempo e manter minha cabeça ocupada com coisas mais certas que a gente. Eu também sei do caos que a gente é e do quanto isso pode acabar destruindo com nós dois. Eu sei que a gente pode se machucar feio tentando viver essa história e que não vai dar pra voltar no tempo depois que apertarmos o start e começarmos a despencar dessa ladeira. Eu sei que é um risco alto e que precisamos estar cientes antes de saltarmos daqui, mas eu também sei que essa pode ser a nossa última chance e que eu preciso tentar.

Eu sei que pode dar tudo errado e que eu posso sair dessa relação muito mais machucada do que eu to entrando. Eu sei que depois de tantos hematomas eu devia tomar mais cuidado e olhar melhor onde é que eu to pisando. Eu sei que já conheço o terreno e por isso devia cair fora antes de ser sugada por alguma areia movediça. Eu sei que ninguém mais acredita na gente e que até eu desacreditei um pouco, mas eu também sei que se você voltou é porque nunca conseguiu ir embora. Eu sei que eu tava indo bem e que já tinha começado a faxina aqui dentro, mas você tocou a campainha e as coisas saíram um pouco do lugar e ai eu resolvi te deixar entrar. Eu sei que não é a primeira vez que a gente assiste esse filme e que o roteiro tá manjado e que se a gente não mudar algumas coisas o final vai ser o mesmo. Eu sei que talvez eu me decepcione um pouco e que você nunca consiga ter certeza da gente, mas eu sei que se a gente desistir agora, na boca do gol, vamos estar fadados a viver pra sempre num eterno impedimento.

Eu sei que é loucura me atirar com tanta força dentro de alguém que já me expulsou de todas as formas, mas mais insano ainda seria abrir mão de viver uma história como a nossa, bagunçada, atrapalhada, torta, mas que não consegue ficar longe, que não consegue se permitir acabar. Eu sei que eu não pedi pra você voltar e que também não te proibi de invadir a minha vida e que talvez você só tenha se dado conta do que fez quando já tava feito. Eu sei que você também não sabe explicar direito o que acontece entre a gente. Eu sei que assim como eu, você não consegue entender essa paixão que grita de saudade mesmo com a gente tampando o barulho. Eu sei que você também sabe que existe alguma coisa, algo que é mais forte que nós dois e que faz com que as nossas vidas se esbarrem independente de quantas voltas o mundo dê. Talvez não seja amor, mas tem alguma ligação inexplicável que implora pra que a gente se de uma chance, pra que a gente se permita cair de cabeça dentro dessa história sem ter medo de onde isso vai dar. Talvez de errado. Talvez de certo. Talvez dar errado seja dar certo. Eu não sei e não vai ter como saber se não nos permitirmos viver isso.

Eu sei que a gente já teve outros encontros e outras oportunidades em outros momentos e não deu em nada, que já tentamos outras vezes e acabamos no quase. Quase amor. Quase de verdade. Quase pra sempre. Eu sei que já jurei que ia embora e voltei pra ver se você também voltava. Eu sei que cansei de te esperar, mas também sei que nunca deixei de te ver aparecer quando a coisa estava chegando ao fim. Eu sei que você volta porque alguma coisa te puxa pra cá, é como se não pudéssemos evitar essa necessidade que existe de vivermos isso aqui, seja lá o que isso seja. Essa pode ser a nossa última chance de descobrir o que a vida quer da gente. Essa pode ser a nossa última chance de cair de boca nessa história e ver onde é que ela vai dar. Essa pode ser a nossa última chance e eu sei que você também sabe disso. Eu sei que você também pensa e se questiona e se preocupa. Eu sei. Então agarra comigo essa oportunidade, agarra essa nossa última chance e se joga comigo dessa ponte, a gente precisa e a gente merece saber onde é que ela vai parar.

7 comentários:

  1. Muito bom.
    Adorei!

    Visitarei mais vezes.

    Beijos,
    http://sentimentalismodesmedido.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Você e essa sua mania de me colocar nos seus textos, Gabi... hahahahah

    www.praxefeminina.com.br

    ResponderExcluir
  3. Eita que se seu texto me gez lembrar tantos momentos! Eu sabia que ia sofrer, mas também nao queria perder o que poderia ser a última chance de ser feliz.
    Bem, me ferrei hahaha
    Se quiser passa no meu blog:
    www.umavidaemandamento.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Que delícia de texto! A gente sempre sabe e não sabe, e deve arriscar assim mesmo.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Nossa...puxa garota como você adivinhou toda a minha história de vida...o momento que estou vivendo...nossa, parecia que suas palavras estavam sendo diretamente dirigidas á mim..chorando e refletindo muito agora...obrigada por ser instrumento divino em palavras nesse meu momento

    ResponderExcluir
  6. Nossa...puxa garota como você adivinhou toda a minha história de vida...o momento que estou vivendo...nossa, parecia que suas palavras estavam sendo diretamente dirigidas á mim..chorando e refletindo muito agora...obrigada por ser instrumento divino em palavras nesse meu momento

    ResponderExcluir
  7. Nossa como vc me descreve, isso foi feito pra mim sem dúvidas, como é difícil decidir o 'sim' ou 'não'. Isso tem o peso da sua felicidade em jogo. ��

    ResponderExcluir

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.