Nova Perspectiva

3 de janeiro de 2016

Desapega do quem não se apega

Via reprodução
Presta atenção em mim, menina, porque eu não vou repetir nada do que eu te falar agora, não vai ter próxima vez e nem próximo conselho. Eu não vou mais me meter na sua história e nem vou tentar novamente te fazer entender que você está se enfiando em um buraco cada vez mais profundo, e que quanto mais você entrar aí dentro mais difícil vai ser de voltar. Escuta com atenção, porque eu também já me joguei de cabeça numa dessas histórias que a gente acha que é a nossa vida e que nunca mais vai acontecer, eu também já acreditei em alguém que foi embora antes que eu pudesse implorar pra que ele ficasse, eu já me descabelei por um cara que não valia meus fios de cabelo e achei que ia morrer de amor. Mas a gente não morre, menina. Ninguém morre.

Eu sei que agora parece difícil de acreditar que vai ficar tudo bem, porque cada pedacinho do seu corpo arde uma desilusão ruim, eu sei, menina, que não é fácil seguir em frente, nem pensar em abrir mão porque até ontem ele era tudo. Eu sei que você acha que isso nunca vai passar, porque dói uma dessas dores que nos espremem por dentro e sangra seu peito como se tivessem arrancado o seu coração, e talvez tenham arrancado mesmo, mas logo ele vai estar aí dentro de novo. Logo vai ter passado e você vai rir de tudo isso, acredita em mim, menina, porque hoje eu não poupo risadas quando recordo de quantas vezes gastei lágrimas com quem não merecia meu choro. Mesmo que agora pareça impossível, mesmo que você sinta esse espaço vazio e se desespere querendo preenche-lo de qualquer maneira. Respira fundo, conta até dez e presta atenção: a gente não precisa de quem não precisa da gente.

Eu sei que agora as coisas parecem não se encaixar, que parece que tudo está fora de ordem e que nada nunca mais vai voltar pro lugar, porque você fez de tudo e tentou de todas as formas e deu o seu melhor pra que ele ficasse, mas ele não quis. Ele nunca quis. Ele foi embora e te deixou sem entender o que estava acontecendo. Ele foi embora e nem se preocupou com o quanto isso te faria chorar. Ele não se apegou, menina, mesmo tendo te prometido o mundo, mesmo com todas aquelas declarações e juras e os pra sempre, mesmo depois de você ter acreditado e se entregado de corpo e alma. Aquilo era tudo teatro. E eu sei que isso é horrível, e que parece que a vida vai desmoronar e que você não vai ser forte o suficiente pra aguentar, eu sei, mas presta atenção aqui, presta atenção em mim: a gente aguenta, menina. A gente sempre aguenta.

Não adianta ficar se enganando com esse papinho de que mais cedo ou mais tarde ele vai notar que perdeu a mulher da vida dele. Você só tá empurrando a poeira pra debaixo do tapete, você só tá criando desculpas pra não ter de encarar que ele não se importou de te perder. Mas tudo bem, que ele note e se arrependa e pense em você, mas que também seja tarde demais pra voltar atrás, porque já é. Você não pode ficar esperando ele voltar. Você não pode abrir mão de ir em busca da sua felicidade. Eu sei que parece impossível abrir os olhos e enxergar que cê ainda tem muita vida e muito amor e muita história pela frente, mas confia em mim, ainda tem muita coisa pra acontecer, deixa o mundo te surpreender, se joga nele como você se jogou nesse romance, respira fundo, ergue o corpo e vai sem medo, você foi corajosa pra amar, então usa essa coragem e desapega, porque ele nunca se apegou em vocês.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.