Nova Perspectiva

15 de novembro de 2015

Eu pensei que ia conseguir não pensar em você

Via reprodução
Eu já devia estar dormido, a segunda-feira vai acordar em alguns minutos e eu ainda não preguei os olhos, mas me agarro ao travesseiro tentando conter o choro doído que implora pra sair. Dessa vez não, repito pra mim mesma tentando me convencer do inconvencível, a verdade é que eu não to bem, não é de hoje, mas é por hoje, eu sei. Analiso o vazio que tomou conta de mim e sinto uma vontade desesperada de correr até você, mesmo sem fazer ideia de onde cê tá, mesmo sem ter certeza do quanto você gostaria que eu fosse até ai.

Engulo o meu coração pra não vomitar o meu orgulho e me pergunto quem é que eu to querendo enganar se não tem mais ninguém aqui. Eu pensei que hoje ia conseguir não pensar em você, lutei contra cada lembrança que insistiu em tentar arrombar a minha porta e prometi que esse ano ia ser diferente. Seria o primeiro sem sofrer com a sua ausência no nosso dia, sem esperar por uma ligação no meio da tarde confessando em sussurros que eu também te fiz falta. Fui me enganando ao longo do mês que não tinha mais com o que eu me preocupar, porque estava tudo bem, mas não tá, e no fundo nunca esteve.

Passei o dia buscando ocupar o tempo com coisas que não tinham a menor importância, pra não dar importância ao que estava me consumindo em silêncio. Não é fácil mentir pra si mesmo, mas com o tempo a gente aprende a se enganar, me trapaceei grande parte do dia sem admitir que era hoje. É hoje. Sempre vai ser o dia 15, sempre vai doer e esmagar e estragar todas as minhas tentativas de não querer que ainda seja você. Eu quero, do mesmo modo que queria estar com você agora, do mesmo modo que te quis em todos os outros anos desde o nosso ano.

Antes de deitar perdi a vista na janela e senti o peito dilacerar ao relembrar da gente, fechei os olhos e me permiti entregar a alma pras nossas recordações, e eu nunca nos vi de maneira tão crua. Estávamos ali, eu podia jurar, e nada mais importava. Estávamos no meio daquele estacionamento com o mundo numa pausa forçada pelos nossos corações. Estávamos há alguns metros de onde eu realmente estava e 8 anos atrasados. Oito anos e eu ainda sou capaz de lembrar do teu cheiro, de sentir o teu gosto. Ainda consigo reviver seu toque e a forma como a sua boca se encaixava perfeitamente na minha. Oito anos e meu coração ainda acelera do mesmo jeito quando eu ouço seu nome. Oito anos e eu ainda estou aqui.

Conto carneirinhos tentando não contar que eu to com saudades pra caralho, dessas que invadem cada pedacinho do nosso corpo e arrebentam com ele. Dessas que fodem sem pena com as nossas estruturas. Dessas que eu só seria capaz de sentir por você. Penso nos trabalhos dessa semana pra não pensar no quanto eu queria que você estivesse aqui, enfiado embaixo dos meus lençóis com o corpo colado no meu. Choro com o livro que eu li semana passada pra não chorar por nós dois. E finjo que isso vai acabar quando o dia acabar. Mas eu sei que amanhã você ainda vai estar morando em mim. Um inquilino intruso que não sai de jeito nenhum e que eu não tenho coragem de mandar embora.

Eu ainda acredito na gente, por mais desvairado que isso possa parecer, por mais inverossímil que seja, e é por isso que eu continuo aqui, estática com a cabeça estacionada no dia em que você fugiu de nós. Eu acredito que você também está pensando em mim agora e que sabe que não dá pra fugir pra sempre, por mais que tudo ande bem por aí, por mais que tudo também ande bem por aqui, por mais que a vida tenha dado voltas e voltas e enfiado outras histórias no meio da nossa, eu ainda acredito. Por um surto de loucura ou por consciência em excesso, na verdade nem eu mesma sei, só não me resta dúvidas de que a gente ainda se cruza, ainda se entende, ainda se encontra, ainda se ama, mesmo que os desencontros nos afastem mais e mais e mais, a gente sabe, no fundo a gente sabe, que alguma coisa sempre nos traz de volta.

Feliz mais um ano.

9 comentários:

  1. "Um inquilino intruso que não sai de jeito nenhum e que eu não tenho coragem de mandar embora." Taaaaanto amor nos seus textos! <3

    ResponderExcluir
  2. Cada vez mais apaixonada pelos seus textos. Você é foda. Não pare nunca. ❤

    ResponderExcluir
  3. Perfeito! Talento e o que não lhe falta .

    ResponderExcluir
  4. Nunca um texto me representou tão bem, parabéns pelo texto e pelo talento.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.