Nova Perspectiva

5 de outubro de 2015

Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios

Título: Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios
Autora: Marçal Aquino
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 229
Ganhei o "Eu receberia as piores noticias dos seus lindos lábios" de aniversário da Mari, do blog Um mundo em duas, e já amei só pelo título. Ela, quando me deu, disse que eu me identificaria muito com ele, tanto com o estilo que é escrito, quanto com a narrativa/história e DEUS DO CÉU, que livro é esse? Foi impossível chegar ao final e não sentir um arrepio no coração, primeiro porque ele é super imprevisível, acabou completamente diferente do que eu imaginava e isso foi bem bacana, e segundo porque é uma história de amor que foge da leitura que eu to acostumada a ter, é um livro mais forte, com a narração mais densa e que mistura um toque de livro clássico com literatura moder. Além dos palavrões que se encaixam de uma maneira extremamente poética (e o sexo, também). É por isso que hoje eu vim dividi-lo com vocês.
A história gira em torno de duas histórias, a primeira, que é, também, a principal do livro, é a contada só para os leitores pelo narrador Cauby, um fotografo que vai parar no interior do Pará, numa cidade que vive uma forte tensão entre os garimpeiros e mineradora na procura pelo ouro. É lá que ele conhece e se apaixona completamente por Lavínia, duas mulheres no corpo de uma: a Lavínia recatada, boa moça, esposa do pastor da cidade, e a Lavínia que eles chamam de Shyrley, uma mulher devassa, cheia de fogo e sem nenhum decoro. Como dito, ela é casada, por essa razão os dois se tornam amantes. Ele cai de joelhos pela mulher, e vai desvendando e nos contado o passado triste e intenso vivido pela moça. Formam um casal intenso, daqueles que causam certa tensão enquanto lemos. Lavínia dá um ar a mais pra história, o que a torna completamente diferente de todas que eu já li. Ela é doidinha de pedra, completamente pirada, e, ao mesmo tempo, faz com que a gente queira entende-la cada vez mais, como se por trás de suas duas personalidades houvesse mais alguém, ou algo, que precisamos entender.
Enquanto vamos desvendando a história dos personagens principais, contadas em flashbacks do Cauby, somos levamos a uma outra história, dessa vez contada por seu Altino ao Cauby e a um menino que mora nas redondezas. A história dele, um amor impossível e um tanto unilateral (pelo menos ao falarmos de amor carnal), vivido no passado com uma moça chamada Marinês, vai embalando a outra história e, cada uma a sua maneira, vão se completando, com suas dificuldade. O que tem de igual nas duas é o amor compartilhado pelos dois homens, de idades distintas. Amaram intensamente suas mulheres, ao ponto de irem até o final de suas histórias por elas, de desistirem de si mesmos, para não desistirem do que sentiam. O que tem de igual, neles, é o amor que sentiram.
Outra coisa muito interessante no livro, são as filosofias do professor Benjamim Schiamberg, um cara que estuda o amor e fala sobre ele, compartilhadas pelo Cauby. Essas passagens mais teóricas levam uma credibilidade maior ao sentimento, faz com que a gente entenda o que está acontecendo com o personagem e entendamos um pouco dos nossos sentimentos, também.
Eu me apaixonei pela história, de verdade, fiquei encantada pela forma como ela foi construída, pela narração intensa, erótica e bela. Marçal sabe encaixar as palavras, da mais romântica à mais vulgar, sem deixar o livro massante. São poucas páginas, uma leitura fácil e forte, que faz com que a gente continue lendo até depois que a história acaba. Quanto ao "acabar", é outra coisa que não posso deixar de comentar: o final é completamente perfeito! Eu sou chatissima com fins de livros, porque raramente acontecem de um jeito que me agradam, o Eu receberia acabou completamente diferente do que eu esperava e foi por isso que eu achei tão genial. Não é um livro previsível, e sim apaixonante.
O que acontece é que, quando estou com você, eu me perdôo por todas as lutas que a vida venceu por pontos, e me esqueço completamente que gente como eu, no fim, acaba saindo mais cedo de bares, de brigas e de amores para não pagar a conta.
O que vocês acharam do livro? Já leram? Vão ler? Contem tudo aqui pra mim ♥

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.