Nova Perspectiva

15 de setembro de 2015

Um dia você entende porquê demorou tanto pra ser

Via reprodução
Eu sei que agora parece difícil enxergar o lado bom de se quebrar inteira por alguém que não valia nem um arranhão, é que quando o mundo está desabando a gente só consegue ver o tamanho da pancada, e ela dói, muito, como se nada mais importasse e fosse melhor dormir até não precisar mais acordar. É sempre assim, mesmo quando tomamos na cabeça bem mais de uma vez, mesmo quando guardamos uma tonelada de decepções na estante do quarto, o nosso corpo não se acostuma com essa ideia de colecionar hematomas, de certa forma não fomos feitos pra sofrer, ainda bem! Por isso é tão difícil aceitar quando perdemos algo que queríamos que fosse a nossa vida, que dentro da gente era pra ser a nossa vida, mas vê se aprende, garota, no futuro, muito amor eterno vai virar passado, e isso não é ruim. Vai por mim.

De cada história que deu errado, a gente carrega alguma coisa, parece clichê, eu sei, mas cada tombo que levamos, faz com que aprendamos um novo jeito de levantar, entende? Cada vez que o nosso coração é partido, a gente aprende a se consertar. A verdade é que precisamos colar os nossos próprios caquinhos se não quisermos ficar despedaçados pra sempre, é por isso que eu digo de boca cheia que não adianta seguir nenhum manual de relacionamento. Se amor é um jogo, vence quem aprende a ser feliz consigo mesmo, e pra isso não tem passo à passo, não tem lista, não tem fórmula. Essa é a lição. Você vai cair e levantar, cair e levantar, cair e levantar, vai ganhar roxos por todas as partes do corpo, vai sangrar por cada canto, vai pensar em desistir, e quando achar que já tá conseguindo se equilibrar sozinha nessa linha fina que a vida é, o mundo vai te presentear com outra rasteira, até que você entenda que tá fazendo tudo do jeito errado. Não adianta procurar nos outros o que falta em você, não adianta esperar que o cara certo surja em um passe de mágica pra te completar. O nosso problema é passar os dias esperando pelo amor da nossa vida, sem nos darmos conta de que ele nunca sai do nosso lado. Quando a gente entende isso, o mundo para de desabar.

O único amor que precisamos conquistar é o próprio, os outros são consequência dele. No momento em que entendemos isso, deixamos de depositar expectativas em pequenos amores: nós somos capazes de atingir aquilo que desejamos. A gente dá xeque-mate quando aprende a sorrir sozinho, e só então ganhamos jogo. O prêmio vem com calma, a vida alarga a estrada, os passos ficam mais calmos, as quedas mais raras, os hematomas invisíveis e as cicatrizes bem pequenininhas, e então ele chega, eu juro. Você não vai estar mais esperando, ele não vai mais ser necessário, você não vai mais busca-lo em todo cara que cruzar o seu caminho, até o horóscopo vai ter ficado um pouco de lado, e é por isso que vai dar certo. Eu sei que isso demora bem mais do que gostaríamos, mas vai por mim, garota, ainda vai valer a pena. Quando ele te olhar com os olhos apaixonados, e você se perder dentro dele, e os dois se alagarem com o sentimento que vai transbordar, cada tropeção vai fazer sentido, cê vai entender que primeiro a gente aprende a andar sozinho, e depois ganhamos alguém pra segurar na nossa mão. Esse é o lado bom da parte ruim: a gente entende que não necessita de mais ninguém. O cara certo só vai aparecer no momento em que você se der conta de que não precisa dele, e é por não precisar que o amor vai dar certo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.