Nova Perspectiva

25 de agosto de 2015

Ou fica ou cai fora

Via reprodução
Entre açúcar e adoçante, eu fico com o que for mais amargo, por favor, ou, então, traz algo bem melado. Meio termo cê pode mandar pra mesa ao lado, que aqui na minha não tem espaço. Não aprendi a ser talvez, graças a Deus, to mais pra tudo ou nada, oito ou oitenta, agora ou nunca mais. Ou é hoje, ou não é nunca mais, não sei jogar prestação pro futuro, eu pago à vista, mesmo que ela seja feia. Não aprendi a gostar mais ou menos, ou eu amo ou eu não me importa, ou eu quero ou eu passo pra frente. Comigo é assim. Se eu estiver a fim, eu fico, se não der vontade, eu vou embora e fim de papo. Odeio enrolação.

Pode ser não é, e inexatidão não me veste, eu gosto de tiro certeiro, é sim ou não é nada, talvez, jamais. Ou sou riso, ou sou choro, o resto é tédio. Esse papo de última gota que faz o copo de água alagar não me convém, transbordo logo na primeira. Sou pura tempestade, seja de inverno ou de verão, garoinha é coisa de gente que só sabe chuviscar e eu to mais pra catástrofe natural. Ou faz sol, ou faz neve, só não me venha com primavera. Contas que não batem tem número a mais, ou a menos, e eu só trabalho com orçamento fechado. Nasci exclamando, sem tempo pra prolongar o choro, no meu dicionário reticências não entra, então não inventa de terminar com três pontinhos. Metade não me satisfaz, pedaços não me bastam, eu quero inteiro, ou não quero mais. Sou fria ou sou quente, morna eu não sei ser, então não me venha com um copo de café com leite.

Já dizia a sábia internet “ou soma ou some”, se for só pra juntar quilo, eu prefiro deixar pra trás. Peso morto atrasa a viagem, bagagem pesado só se for com verdade, do resto eu me livro. Se for pra me amar, que seja em excesso, amor em conta gotas adoece a alma, sentimento acomodado me incomoda. Ou liga ou desliga, só não me enrola, que eu sou lisa. Se for pra ser algo, que seja tanto fez, nunca tanto faz. Ou aperta ou solta, só não venha me puxar de volta. Não peça desculpa pra sair de cena, não te pedi pra entrar na minha vida, se quer ir, vá, só não ocupa espaço na minha casa. Não faz rodeio, que eu nem como carne, prefiro pratos mais leves. Que fique aqui ou lá, nos dois não dá. Se for pra ficar de vez em quando, é melhor ir embora pra sempre. Comigo é assim, ou fica ou cai fora.

Um comentário:

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.