Nova Perspectiva

10 de junho de 2015

Veneno

Via reprodução
Cara, eu fiquei na merda por um bom tempo. Foram anos engolindo o choro e vomitando em silêncio a ausência da sua mão na minha, eu sofri um bocado. Te esperei por longos outonos enquanto você aproveitava a vida agarrado à alguma mulher mais loira e mais bronzeada que eu. Ou mais morena e gostosa. Ou mais bonita e elegante, sei lá. Foram meses em que tudo doía, o canto esquerdo aqui no peito vivia apertado com todo aquele sofrimento, a alma, solitária, implorava por uma maneira de sair daquela história. E eu insistia em me afundar cada vez mais em você.

Vez ou outra cê voltava pra confirmar que eu ainda estava aqui e era a melhor opção no seu vasto cardápio feminino. Eu te olhava de canto implorando pra que, pelo amor de Deus, dessa vez você ficasse pra sempre e você sorria tentando me convencer de que ainda não era a hora, mas que a gente ainda podia dar certo se eu te esperasse um pouco mais. Só um mais um pouquinho, pelo resto da vida, e eu fui ficando pra trás nessa estrada. Fui deixando uma porrada de cara bacana passar porque eu só conseguia enxergar você. Eu tava cega, não conseguia ver a burrada que tava fazendo, até que você encontrou alguém melhor e não voltou. E eu vi meu mundo desabar de vez. 

Você tem alguma ideia do quanto isso me destruiu? Doeu pra cacete olhar essa história com toda a sujeira espalhada e nem saber por onde começar a faxina. Fui empurrando com a barriga os dias e tentando levar conforme dava sem deixar ninguém notar o quão no fundo do poço eu estava. Achei que não ia suportar, sabe cara? A morte prematura do nosso amor era um fardo pesado demais pra eu carregar sozinha. E eu nem tinha com quem dividir, precisei brigar com o mundo pra não desistir de você e foi você quem desistiu de mim. E eu fiquei sem ter ninguém pra pedir socorro nesse barco furado. Precisei arranjar forças sei lá onde pra não desabar de vez, precisei me reerguer na marra enquanto tudo me puxava pra baixo. Foi foda, cara. Eu tive que brigar sozinha numa guerra perdida. Eu tive que chegar no limite pra perceber que você não valia nada.

Fui do lixo ao luxo sem a ajuda de ninguém. Aquela era uma batalha minha e vencer não era opção, era necessidade. Reaprendi a caminhar sem ter apoio nenhum, passo por passo, pé após pé, e com algum treino eu já corria algumas maratonas. Fui ensaiando em frente ao espelho, comecei a encarar os dias com perspectivas diferentes, vendo a vida com novos olhos. Experimentei a tal da ressaca, do batom vermelho e da saia paetê. Entrei pra faculdade e consegui um emprego invejável. Passei a me olhar mais vezes e a me apaixonar pelo que eu via. Depois de uns meses eu já podia correr sem tropeçar e venci a são silvestre do coração. Reconquistei meu amor-próprio e as rédeas da minha vida. Deixei de te procurar nas redes sociais e passei a me achar em coisas novas: na vontade de saltar de paraquedas, no novo amor por música eletrônica, no desejo de praia e carnaval. Na alegria diária de estar no comando sem ficar dia após dia esperando por alguém que nunca valeu todo o meu esforço.

Você foi a minha dose homeopática de destruição, meu veneno diário por longos anos, e eu fui a minha própria salvação. Das duas opções que eu tinha, escolhi não desistir e ainda to aqui, em pé, de peito erguido e sorriso no rosto. Sobrevivi a você e passei a viver em mim. Obrigada por ter sido um otário, agora eu sei que mereço coisa muito melhor.

3 comentários:

  1. Vez ou outra encontramos esse tipo de pessoa, destrutiva, e a unica certeza é de que aprendemos algo e saímos mais fortes da relação. É bom olhar pra trás, depois que já não dói mais, e perceber isso. Bom seu texto, me fez pensar em algumas pessoas que já passaram. Também agradeço a elas, pelo que não fizeram... ;)

    ResponderExcluir
  2. É horrível esse sentimento, mas é com isso que amadurecemos, pelo menos pra isso serve.
    Já sofri muito por amor ):

    Beijoos, adorei o seu texto
    Love is Colorful

    ResponderExcluir

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.