Nova Perspectiva

20 de junho de 2015

Para de rimar tão bem comigo

Via reprodução
Deixa eu te contar algumas coisas sobre mim, rapaz: eu não sou desse tipo de gente que acredita no amor, que cria roteiros imaginários pra virar algum best-seller de escritor romântico e se atira de um penhasco pra viver uma grande história. Eu não do tipo que espera um cavalo branco e acredita em felizes para sempre e quer casar de véu e grinalda com o amor da vida toda. Não vou atender suas ligações às três da manhã e nem regar as flores que você me enviar, não vou te agradecer pelos bombons e nem te convidar pra jantar aqui em casa. Eu não vou dizer que te amo e pedir pra dormir de conchinha, e é bem provável que no dia seguinte eu já tenha ido embora. Não sei colocar a alma na mesa e abrir o peito pra sei lá o que entrar, nem quero aprender. O teu amor não é bem-vindo. Então para.

Para de me entender tão bem e de me aceitar desse jeito torto que a vida me deixou. Para, porque já doeu demais e eu não me arrisco em areia movediça, não me permito cair nessas armadilhas que o destino arma no meio do caminho pra deixar a gente com a cabeça vazia e o coração abarrotado. Para de insistir nos telefonemas e nas mensagens e nos cartões. Para de tentar saltar meu muro e arrombar a minha janela tentando me convencer de que dessa vez vai ser diferente. Para de me fazer querer acreditar que vai, porque eu sei que depois tudo dá errado e a merda fica fedendo aqui no meu quintal. Para de olhar pra mim e enxergar a minha alma e de querer cuidar das minhas feridas. Eu faço isso sozinha, um dia, quando der e a coragem for maior que o medo de encarar essa bagunça aqui dentro. Para de sorrir desse jeito tentando engolir meu eixo e de me fazer querer saltar de paraquedas pra dentro de você. Para que eu não posso, nem quero, me tornar uma dessas personagens apaixonadas que a vida cria e destrói, em seguida. Para que eu não consigo resistir aos teus olhos me lendo e descobrindo tudo que eu tanto tentei esconder em mim. Para, por favor. Ou então fica pro resto da vida.

Para de rimar comigo ou cria uma música bonita da gente. Para de segurar minha mão como quem segura um mundo ou me agarra e não larga nunca mais. Para de me pedir pra tentar só dessa vez e acreditar que você é de verdade ou me arranca dessa inertidão em que me meti pra fugir das borboletas no estômago e me mostra que com você pode ser diferente, porque aqui, bem no fundo, eu quero tanto que seja. Porque eu não sou desse tipo de gente que ataca todas as fichas na mesa e que espera o príncipe encantado chegar, mas você me torna alguém melhor do que eu consigo ser. Porque eu não espero um amor de me tirar o fôlego e nem uma história dirigida por algum cineasta de Hollywood, eu só quero que seja de verdade.

Então não para quando eu falar que não quero mais e fica quando eu te pedir pra ir embora. Eu sei que é confuso e que gostar de alguém de um tipo como eu deve ser um pouco masoquista e que tem muita menina no seu pé e que não é justo te pedir pra me esperar um pouco mais. Eu sei que numa dessas você pode cansar e jogar pro alto tudo o que eu não deixo a gente ser, mas eu preciso ter certeza, rapaz. Eu não sei pisar em chão desconhecido. Não sei me jogar de um precipício porque todas as vezes em que eu tentei o tombo deixou hematomas fixados em mim e eu tenho medo que você se torne mais um dos roxos que cercam a minha pele. Então tenha um pouco mais de paciência com a minha insegurança e a minha mania de parecer que eu não me importo e não quero que você fique. Eu quero, muito, mas assumir isso tem um risco muito alto. E você sabe que talvez eu não atenda às suas próximas ligações e não retorne os seus sms e ainda assim só peço pra que você não desista de tentar porque nunca dessas eu insisto na gente. Juro. Só não desiste de mim.

4 comentários:

  1. Era tão eu antes de encontrar o meu amor. Também era confusa assim - e talvez por isso eu ri tanto quando ele se declarou pra mim e depois caí de amores. Depois o coração aquieta e a gente se permite amar. Lindo texto, flor!

    ResponderExcluir
  2. Logo de cara, já achei que era aquela coisa da vida quando encontramos um alguém de verdade e acabamos que "dispensando" por achar que não é que será somente mais um machucado. Mas ai no decorrer, a pessoa se entrega, no meio de tantas negações ela se entrega, não querendo para não correr esse tal risco novamente, sei bem disso, já vivi, na verdade quem nunca?? Acho que as vezes quando a gente se prende muito fica meio dificil aproximar as pessoas, mas é bem aquilo, quem quer insisti, até quebrar o coração de pedra.

    Beijinhos =*
    www.eraoutravez.com

    ResponderExcluir
  3. Menina seus textos são tão lindos, adoro le-los !
    Ser "fria" para o amor parece se melhor, agente sofre menos quando não se enche de esperanças e não quer algo "inconseguível" (essa palavra existe ?)
    Não querer e querer, sim isso ja me definiu em uma fase da vida, de querer, hora não querer, mas pedir pra pessoa não desistir, sim, seu texto me descreveu em algumas partes haha
    Beijos ♥ O Melhor de Mim

    ResponderExcluir
  4. Gabiiiiiiii! Posso te chamar assim? hahaha Te conheci através de uma divulgação e cara! Que textos são esse? De coração: Tu arrasa guria.
    Meu blog: ocotidianodeumaadolescentee.blogspot.com.br
    Faço textos também. <3 .

    ResponderExcluir

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.