Nova Perspectiva

6 de abril de 2015

Não é um adeus

Via reprodução
Tenho pensado muito em nós, pode parecer perda de tempo perto de tudo que eu ainda preciso arrumar, tem a casa, a faculdade e a mala. Tem a sua ausência que mal cabe na bagagem. Tem o vazio da sua mão libertando a minha e a falta dos seu pés gelados brincando com o meu. Tem a solidão do desprender do seu abraço, do seu beijo, do seu corpo. Tem muito e tem tão pouco. E tem saudades, também. Tem as lembranças e o futuro e o presente. E tem você na maior parte do tempo. E o caos que se instaurou dentro da minha cabeça. O conflito de cair no mundo e cair em você. "Não sei caso ou se compro uma bicicleta", só sei que te amo. Muito. E queria que você ficasse, seja como for. Que você não largasse a minha mão, nem esquecesse do meu número. Mas você vai se afastando, aos pouquinhos, antes que eu vá de vez.

E a hora ruim se aproxima, cada dia mais e na mesma velocidade eu te perco, te vejo distância, distraído, sinto o peso da despedida chegando e choro baixinho a dor de não te ter pra sempre, e sinto vontade de te guardar em um potinho pra levar comigo. Nosso amor pesa tão pouco, rapaz. E eu vou enlouquecendo dia após dia enquanto não chega o dia em que o mundo vai abrir os braços e eu vou me soltar dos seus. Só queria que você soubesse que o mundo é grande, que a distância cansa, e que eu sei de tudo isso, mas também sei que o coração aguenta, estica, te alcança. E se você quiser ainda pode segurar minha mão bem forte e eu seguro a sua e a gente não solta mais. Nunca mais. Tem jeito pra tudo, sabe? Só não tem jeito de esquecer um amor, ainda mais um como o nosso. E a gente já é tanta coisa pra virar nada, e a gente ainda pode ser tanta coisa que ser só saudades parece tão pouco e tão triste.

Talvez seja o seu cheiro que não sai da minha roupa, ou o seu gosto impregnado na minha boca. Talvez sejam os passeios que a gente ainda não deu, talvez seja a saudades que eu já sinto. Talvez seja tudo. Só não é adeus. Nem poderia ser, eu não aguento te ver ir, entende? Porque eu preciso que você fique sempre um pouco mais, até ficar pra sempre.

Confia em mim, que eu sei que dá medo, a estrada é longa e a falta vai ser grande, mas ainda vão ter os telefonemas de madrugada, as mensagens de amor e as surpresas no final de semana. Ainda vai ter eu e você, do jeitinho que tem de ser. Ainda vão ter os carinhos, os toques e os beijos, as cartas, os abraços e o pôr-do-sol. Ainda vai ter muita história e a gente escreve junto nessas linhas meio distantes que se encontram a cada desviada. Entende? Ainda vai ter amor, independente de quantos quilômetros nos separem.


Só confia em mim e fica um pouco mais, pra sempre.

4 comentários:

  1. AAAAAAAW! Qual o e-mail? já quero um texto pra chamar de meu também *-*

    beijo
    beinghellz.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. "Porque eu preciso que você fique sempre um pouco mais, até ficar pra sempre". Senti isso tantas vezes na adolescência e fui pega de surpresa, recentemente, quando alguém me fez voltar a sentir assim. Acho que todo amor tem um quê de adolescente, e acho bom que seja assim.

    Curti essa ideia de escrever o sentimento que outra pessoa te conta. Fiz algumas músicas pensando nisso - em histórias que me contaram, quer dizer -, mas nunca pedi diretamente que me contassem uma história para que eu tornasse aquilo em texto. É uma bonita ideia. Tem algo de rapsodos e musas da Grécia antiga hahaha

    Teu blog é lindo, Gabi (pode chamar de Gabi?). "Que o sonho seja a rotina da sua vida" foi a primeira coisa que li quando cheguei, e jamais na minha vida vou desler. Vou levar comigo. ;D

    Beijo,
    www.artezanni.wordpress.com

    ResponderExcluir
  3. Gabi, você existe cara??? Sério!! Você parece que lê meus pensamentos e poe na ponta do lápis, de verdade. Eu não sabia que tu tinha blog! Te acompanhava na página desde que você começou a postar lá... Tenho um carinho imenso pelo teu trabalho. Choro litros lendo teus textos. Tem momentos em que eles se encaixam perfeitamente com a minha vida, e isso é tão enlouquecedor e ao mesmo tempo tão maravilhoso. Obrigada por esses textos! Não perca nunca isso! Um beijo.

    Com carinho, Bia.
    www.pantufa-rosa.blogspot.com

    ResponderExcluir

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.