Nova Perspectiva

4 de março de 2015

Monólogo sem fala 4

Via reprodução
O mundo do lado de fora gira em silêncio enquanto a noite se faz dia. São três horas da manhã, e, embora já seja verão, a madrugada é fria. Prefiro assim. Eu devia estar dormindo, mas a cafeína acumulada no meu corpo impede que meus olhos adormeçam. Reviro na cama a procura de uma posição mais confortável, mas o desconforto não vem do colchão, eu sei. O desconforto tá na alma. Tá na falta. Tá no vazio. Tá na saudade. Levanto.
A casa ficou maior depois que você se foi, as paredes perderam as cores dos seus quadros, a estante permanece abandonada dos seus sons e não houve roupa nova que tampasse a oquidão do teu cheiro no guarda-roupa. Esquento o chá pra ver se aqueço o coração e acendo um cigarro. Já faz dois anos. Dois anos que o seu lado da cama foi tomado pelas almofadas na tentativa de compensar a sua falta, mas nada cura a ausência do teu corpo no meu. Respiro fundo e piro um pouco mais a cada batida do relógio que ecoa sem você comigo. Quando foi que nos perdemos?
Espero a madrugada passar do lado de fora do apartamento e enxergo de longe um casal meio embriagado que caminha entre a rua e a calçada proferindo alegria, ela joga o corpo de um lado pro outro e se segura na mão dele, os cabelos vibram com o vento porque tá tarde e faz frio, mas eles não ligam, só riem e andam e brincam e amam, se olham e se perdem um no outro, e caem ali no meio da rua, tudo bem, a rua é deserta e quase não passa carro, e se beijam, e se acham, e eu choro baixinho a lembrança que vira delírio e depois some, e eles já não estão mais lá. Suspiro. Trago a esperança de que, mais cedo ou mais tarde, você vai voltar. Tola. Tem noites que duram uma vida. Tem vidas que duram uma noite.
Inclino a cabeça pra trás e deixo as lágrimas descerem enquanto a fumaça esvai pelos buracos da tela de proteção, pros filhos que não vamos ter. E grito. Grito porque dói uma dor aguda no lado esquerdo do peito. Grito porque as lembranças enlouquecem e a solidão mata. Grito porque a sua ausência queima na alma e alastra as chamas pelo corpo e eu sinto na pele o calor da lacuna entre os dedos que os teus não preenchem mais. E eu sofro porque eu sei que você não vai vir, nem agora, nem na primavera e no outono também não, e que por isso vai ser inverno o ano todo. Inferno. Não tem analgésico que alivie essa dor invisível que se apodera do que eu já fui e me transforma no que eu não sou. Não tem o seu colo e nem seu cafuné e o seu café. Não tem você, e dói, e eu choro, e eu grito. E enlouqueço, cada dia mais, na espera do que nunca mais vai vir.
Encaro o chá como quem procura por uma resposta naquela imensidão amarelada. Não há nada mais para se encontrar, eu sei.
Camomila. Calmomila. Acalma.

29 comentários:

  1. Uma das piores dores que a gente pode sentir é a dor da alma. Ela machuca mais do que uma ferida aberta e pior: não há remedinho que faça passar.

    Texto lindo, as always :(

    beijo
    beinghellz.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. É. Não é fácil.
    Dói, incomoda...a saudade é uma coceira, um formigamento que não vai embora mesmo que você bata o pé incontáveis vezes no chão frio. Mas passa. Assim como o chá acaba, a cabeça muda e os dias seguem. Fica do pouco um tudo. Isso mesmo. Mas prossegue.

    Beijos, gab

    ResponderExcluir
  3. Um texto que tranquilamente poderia ter sido escrito no horário citado.
    Sobre abandonos, planos que precisam ser bruscamente abandonados, talvez a camomila acalme.
    Talvez não. Mas o importante é que o sono que se perde hoje é vital para o que se dormirá amanhã.

    Belo registro, Gabriela.

    ResponderExcluir
  4. e a pessoa que diz que consegue lidar com isso numa boa não é normal =/
    Não é fácil!

    Lindo texto

    ResponderExcluir
  5. Que coisa chata eu me indentificar um pouco com esse texto.
    Muito bom. (:

    Beijos,
    nighght

    ResponderExcluir
  6. Perfeito, intenso, triste, um texto incrível! O primeiro parágrafo foi meu favorito, embora os outros também sejam muito bem escritos. Gostei muito.

    petalasdeliberdade.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Fiquei com lágrimas nos olhos, Gabi. :'/ <3

    ResponderExcluir
  8. Texto perfeito e bem intenso. A saudade aperta, né? E ainda mais quando a gente sabe que não vai dar para matá-la. É uma dor profunda que remédio não cura. Aliás, quem inventasse um remédio para esse tipo de dor, ia ficar milionário. Mas a cura para todo sofrimento é o tempo. Em alguns casos demoram mais, outros menos. Mas um dia passa, ah passa! Mas a gente tem que se permitir também. ;-)

    Parabéns mais uma vez pelo texto.

    Beijocas,
    Carol
    www.pequenajornalista.com.br

    ResponderExcluir
  9. que texto bem escrito e lindo. E essas flores no layout? eu amei!

    http://www.jacknuit.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Triste mas lindo Gabes!
    Maravilhosa escrita :)

    www.chaeamor.com
    Blog Voltou *-*

    ResponderExcluir
  11. Será que esse tipo de falta deve doer tanto assim? A vida é sacana nessas horas rs.
    O texto ficou ótimo :D

    xoxo

    ResponderExcluir
  12. Adoro o jeito como você escreve, menina! De uma hora para outra é como se eu estivesse lá também, dentro da situação e enxergando todos os detalhes que você escreveu. Faço um filminho na minha cabeça e isso é tão legal! ♥

    E o texto é triste e tão verdadeiro que dói. (...) "e eu sinto na pele o calor da lacuna entre os dedos que os teus não preenchem mais", isso foi tipo um soco no meu estômago de tanta identificação, perfeito!

    Um beijo. (:

    ResponderExcluir
  13. Achei linda as tuas palavras

    Beijos,
    http://www.thalitamaia.com

    ResponderExcluir
  14. texto maravilhoso, cheio de emoção!

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  15. "Tem noites que duram uma vida. Tem vidas que duram uma noite."

    Guria, tu escreve muito. Sem mais! <3


    http://www.crisedosvinteetantos.com/

    ResponderExcluir
  16. Gabi, que texto forte. E lindo. Me lembraram as dores de amores na época que eu morava no Espírito Santo. Aquela solidão que se sente ao terminar/romper com alguém, e todos esses jogos do amor. Seu post tá um encanto só, e me apaixonei pela parte " tem noites que duram uma vida. Tem vidas que duram uma noite". <3

    ResponderExcluir
  17. Adorei! Tem noites que duram uma vida. Tem vidas que duram uma noite.

    ResponderExcluir
  18. "Tem noites que duram uma vida. Tem vidas que duram uma noite." Minha Frase preferida
    Gostei bastante do texto,a dor deixar uma pessoa que amamos ir embora e a esperança que ela volte andam lado a lado e as tem noites que esquecemos tudo que a pessoa fez de ruim e só queremos um abraço.
    beijos
    apenasliz.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  19. A pior parte da saudade: enxerga a pessoa até na poeira dos móveis
    A segunda pior parte: sempre acontece na madrugada

    Texto lindo, como sempre <3

    Novembro Inconstante

    ResponderExcluir
  20. Que texto demais. Dá para se perder nas suas entrelinhas mais do que escancaradas. Dá pra nadar nesse rio de sentimentos que transbordam! DEMAIS!

    La Diabolique

    ResponderExcluir
  21. ...
    Dor.
    É tudo que eu sinto depois de ler esse texto.
    Penso que não há pessoa que não há estado nessa situação ao menos uma vez na vida. E dói estar, e dói lembrar.
    Excelente texto. Um beijão!

    www.eunomadiando.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  22. Quando terminei de ler, pensei comigo: "Ainda bem que o tempo existe e ele cura tudo", tu conseguiu passar uma dor, aquela bem apertadinha e destrutiva sabe, muito lindo seu texto. Adoro seu blog, e pela primeira vez estou comentando ^.^

    www.cultmidia.com

    ResponderExcluir
  23. Que texto fantástico, consegue sentir-se a dor em cada palavra. Adorei o texto, está soberbo! Fiquei colado do início ao fim!

    http://ummarderecordacoes.blogs.sapo.pt/

    ResponderExcluir
  24. Ai, que dor no coração, Gabi!
    Super super lindo.
    Não me identifico nesse momento da vida, mas já passei por isso. Quem nunca?

    Beijooos

    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir
  25. Nossa, seu texto me deixou um dor na garganta! Que dor tão bem escrita! Lindo demais o texto e senti o machucado daqui, mas acredita que vai passar.. Uma hora melhora e a única falta que fica é do quanto a dor, apesar de dolorida como todas as dores, inspirava textos bons.

    Ah, eu demorei de voltar aqui, mas é que eu tava meio na correria, mas tem dois posts novos lá no blog, não sei se você viu sobre o Center Parcs, mas, se viu, tem um novo sobre meu último final de semana na Inglaterra :((( Aparece lá pra saber das minhas aventuras, ta bom? Um beijo grandão e bom resto de semana pra gente! <3

    :*

    http://centrifugir,blogspot.com

    ResponderExcluir
  26. Antes o pobre chá nos desse respostas pra alguma coisa, né? mas ele nada faz. Pode até acalmar se a gente deixar e só.

    beijo
    beinghellz.blogspot.com

    ResponderExcluir
  27. Tua forma de escrever é tão moderna, e ainda assim tão bonita.
    E sei que muitos se identificam. *-*
    Sucesso linda.

    ResponderExcluir

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.