Nova Perspectiva

1 de fevereiro de 2015

Monólogo sem fala três

Via reprodução
São cinco horas da manhã de uma sexta-feira e o dia ainda não clareou, tá cedo demais para sair da cama, mas também tarde demais pra tentar dormir de novo. Nunca tive problema de insônia, entretanto nos últimos meses não tenho conseguido dormir direito, talvez por conta da quantidade imensurável que tenho injetado de cafeina no meu corpo, ou pelos trabalhos e provas e textos intermináveis da faculdade que não me permitem dormir sem culpa. Só que hoje meu despertar não foi causado nem pelo café e nem pela minha agenda lotada de afazeres, hoje quem me tirou o sono foi você e essa sua mania de aparecer quando eu acho que já te esqueci.
Sonhei com a gente essa noite e acordei com o coração implorando pela sua voz, meus dias corridos não tinham deixado espaço para sua ausência ser sentida, por isso você resolveu estragar minhas, poucas, horas livres vociferando ferozmente o quanto termos outra chance é mera utopia minha. O quanto ter te esquecido não passa de uma desculpa ludibriosa para que o mundo não julgue a minha esperança inacabável em um nós que existiu, e existe, somente para mim. Você chegou sozinho pedindo mais uma chance, sussurrando frases feitas em meu ouvido, jurando que finalmente seríamos aquele romance com destaque na prateleira de todas as livrarias, fez promessas impossíveis enquanto me viu desmanchar em seus braços, e depois eu acordei.
Quis tanto ir atrás de você, saber como você está, a gente podia se ver um dia desses e ir tomar alguma coisa naquele café da avenida que íamos pra discutir política, sei que isso daria naquele nosso extenso bate boca sobre direita e esquerda e depois acabaria na minha casa, na minha cama, e era exatamente aqui que eu queria ter você agora, é que o lado esquerdo fica tão vazio sem teu corpo pleiteando o meu lugar. Mas são só cinco horas da manhã e eu já não tenho mais seu número. Nem fé no nosso amor.
Você veio no meio da noite só pra me lembrar que eu ainda te tenho fincado em cada canto do meu corpo, pra me fazer insistir em encerrar esse capítulo com três pontinhos, como se ainda tivéssemos chances de em algum momento retomá-lo com um novo parágrafo.
Eu achei que já estava bem, até ser atacada pelo meu próprio inconsciente vomitando o quanto ainda acredito em nós.
Você é aquela úlcera na alma que não melhora nunca.

Dei uma mexida no layout, nada muito grande, mas fazia tempo que eu queria organizar as categorias de um jeito mais prático e acho o menu horizontal a melhor opção. Prometo não mexer em mais nada hahahah

28 comentários:

  1. Ca-ra-lho. Dá licença, mas eu salvei no favoritos esse texto, ok? Porque tô adorando, babando por ele. Lindo demais. "Mas são só cinco horas da manhã e eu já não tenho mais seu número. Nem fé no nosso amor."

    Um beijão !!

    www.eunomadiando.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Você escreve super bem, meus parabéns.

    http://alinesecretplace.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Você escreve super bem, meus parabéns.

    http://alinesecretplace.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Nossa, que texto! Simplesmente amei, estou sem palavras. E essa frase final? MDSSS! <3

    Beijos! | @steffanylopess
    www.steffanylopes.com.br
    http://fashiondaych.com.br/4468/perfil

    ResponderExcluir
  5. Puxa quantas vezes passei por isso! =(

    ResponderExcluir
  6. Que texto lindo, você sabe exatamente como usar as palavras! Tão intenso e incurável é o amor.
    Você é aquela úlcera na alma que não melhora nunca. AMEI!

    Beijos,
    Radioativa Fluffy

    ResponderExcluir
  7. "Você veio no meio da noite só pra me lembrar que eu ainda te tenho fincado em cada canto do meu corpo,.." adorei o texto (como sempre)

    ResponderExcluir
  8. Como sempre você mostrou seu talento! Para de ser boa! Amei!
    beijos!
    http://cheiade-alegria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Das histórias que nos identificamos logo por ter alguém que reaparece do nada quando imaginamos que já é passado ou do alguém que nem vira passado!
    Adorei!

    Beijoo'o ;*

    ResponderExcluir
  10. que texto mais lindo, amei!
    bom começo de semana flor

    www.tofucolorido.blogspot.com
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  11. úlcera na alma... mas minha gente! você descreveu perfeitamente com essa frase como um amor que deixa resquício age em nós.

    Acho que tomar omeprazol não resolve esse problema, né? :T

    beijo
    beinghellz.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Gente, que texto maravilhoso, me deixou arrepiada!
    Muito, muito bom mesmo.

    Blogdeaventuras.com ♥

    ResponderExcluir
  13. Muito bom seu texto querida, adorei!
    Beijos
    janamakesesmaltesecia.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  14. Ai... esses sonhos sempre aparecem nos momentos mais inapropriados... Adorei o texto!

    ResponderExcluir
  15. Muito bom Gabi!
    Que a fé (seja no que for) acaba, realmente não da pra tentar outra vez.

    beijo

    ResponderExcluir
  16. Lindo seu post! Já me senti assim umas milhares de vezes, acho que esse texto é universal e muita gente vai se identificar com ele, achei lindo. Acho que a gente vai ficando velha e prática sei lá, e perde essa mania em ver poesia num amor que a gente já sabe que não vai dar em nada. É bonito no papel, mas essa úlcera da alma dói e demais e demora a sarar :(
    Beijos!
    http://www.canseidesernerd.com

    ResponderExcluir
  17. tem sempre aquele maldito amor que fica e que maltrata

    Lindo texto. ahazando como sempre ♥

    ResponderExcluir
  18. Escreves mesmo bem, gostei imenso do texto. Fiquei envolvido nas tuas palavras, belíssimo trabalho :)

    http://ummarderecordacoes.blogs.sapo.pt/

    ResponderExcluir
  19. "Hoje quem me tirou o sono foi você e essa sua mania de aparecer quando eu acho que já te esqueci."
    Os melhores (e piores) amores são esses: que grudam na gente e não fazem a menor questão de sair, nunca. Me vi durante todo esse texto: quantas vezes não acordei com aquela vontade de ir atrás, pedir desculpas (mesmo que a culpa não tivesse sido minha) e voltar com tudo. Mas uma coisinha, atrelada ao orgulho, diz pra gente ficar onde está, não correr atrás, porque se acabou era porque tinha que acabar mesmo. E seguimos assim: nesse "corro atrás ou não" infinito, que sempre bagunça a mente e o coração.
    Sou apaixonada por seus textos <3

    Beijinho! ♥ Primeiro Livro

    ResponderExcluir
  20. Quem nunca sonhou com pessoas do passado e ficou com um gosto agridoce na boca e na alma?
    Adorei, Gabriela, principalmente a última frase, da úlcera.
    Tem gente mesmo que vira úlcera na nossa vida.

    Como assim eu não estava seguindo o blog? Shame on me!
    Problema resolvido.
    :D

    Beijoooos

    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir
  21. Entre as linhas se encontra aquele recado de "esse texto é tão seu quanto meu". Adorei. Leve, suave, romântico e além do que os olhos podem ver. Parabéns.
    www.meninagenteboa.blogspot.com

    ResponderExcluir

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.