Nova Perspectiva

13 de fevereiro de 2015

Aguardo, amor

Via reprodução
Eu me fechei pro amor depois de doar demais pra quem só me fazia doer. Quando você chegou eu já não acreditava mais que essa história toda de borboletas no estômago pudesse ser verdade, e se era, eu, pela menos, não tinha nascido pra isso. Final feliz, pra mim, era coisa de conto de fada e eu nunca fui muito fã de sapatinho de cristal. A vida endurece a gente. A gente endurece a vida. E assim o jogo corre.
Quebrei a cara e o coração até cansar de insistir em histórias que já vinham reveladas em outdoor que iam dar errado. Só eu não via. Ou não queria ver. Fui me enclausurando casa vez mais e mais e mais. E eu tava aqui, quietinha no meu canto, reaprendendo a levar os dias um após o outro e então você chegou todo sorridente, com cara de bom moço, prometendo de pés juntos que as suas intenções eram as melhores e eu nem quis acreditar, sabe? Fui só deixando acontecer fingindo que não acontecia nada. Eu tava me apaixonando de pouquinho em pouquinho e não quis impedir que o sentimento nascesse. Eu te amei sem querer, querendo, porque achei que você valia a pena. Porque pela primeira vez eu senti o coração bater mais rápido e acreditei que isso valia qualquer risco. Você valia. Te deixei ultrapassar minhas barreiras e mudar de lugar as minhas certezas, você bagunçou a minha vida, mudou meu rumo e transformou a minha história. E eu nem reclamei dos seus pés na minha almofada cara. E nem reclamei da sua bagunça no meu armário e da sua rotina quebrando a minha. Menos ainda da toalha em cima da cama e da xícara no lugar nos pratos. Porque isso não importava, entende? Eu te amava, cara, eu te amava.
Os hematomas que eu carrego no peito tinham me tirado a esperanças de viver um desses romance de dar inveja pra qualquer cineasta importante, mas aí você me trouxe luz, e paz, e calma e eu acreditei que o céu podia ser mais azul. E foi. Mas foi só a primeira tempestade chegar pra você fugir. Por que, rapaz? A gente tinha tanto pra dar certo. Nossos corpos ornavam poeticamente bem, nosso beijo era intenso, quente, forte. Nosso papo caminhava bem, as ideias batiam e os sonhos combinavam. O coração pulsava no mesmo ritmo. Tinha amor, e era recíproco, eu sei que era. Mas você partiu (e me partiu, também).
Não tive tempo de implorar pra que as coisas fossem diferentes. Nem pra entender porque elas eram assim. Você não me deu alternativas e não deixou um beijo de despedidas. Foi embora do mesmo jeito que chegou: de surpresa. E eu tive de aceitar.
Aceitar a falta, aceitar a dor, e aceitar que as vezes amar é deixar ir e torcer pra que volte.
Texto para leitora é um projeto do blog Nova Perspectiva onde eu escrevo um texto baseado nas histórias de amor - ou desamor, que recebo, essa foi da Clara, que me contou a história pelo chat da minha fanpage (Gabriela Freitas). Quer ganhar um texto sobre a sua história também? Manda um e-mail, ou faz igual a Clarinha e me chama no chat. Beijos lindocas/os ♥

20 comentários:

  1. Acho essa ideia de transformar histórias de outras pessoas em textos para o blog tão bonita!
    Texto maravilhoso

    Novembro Inconstante

    ResponderExcluir
  2. Respostas
    1. Desistir, nem sempre, é fácil ou o melhor.

      Excluir
  3. E se não voltar, outro melhor vai aparecer. Clichê, mas assim é a vida, né? ;-)
    Adorei o texto e me identifiquei muito. Passei por isso recentemente. Ele apareceu de surpresa e foi embora de surpresa também. Chorei, sofri e passou. E hoje entendo que foi melhor assim e que o melhor sempre está por vir.

    Beijocas,
    Carol
    www.pequenajornalista.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por mais bonita que a história seja, nem sempre ela é pra acontecer no final, digo sempre que algumas ficam até mais bonitas sem. O futuro é pra ser diferente.

      Excluir
  4. Eu amo esse seu projeto! Pena que não tenho nenhuma historia pra contar e você transformar em uma coisa bonita em forma de palavras.
    E no final, o que na vida não é uma surpresa ne?
    beijos!!
    http://cheiade-alegria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. LINDONA! Fico feliz quando falam desse projeto, é o meu xodozinho ♥
      Verdade, e ai está a graça.
      Beijocas.

      Excluir
  5. Que ideia bacana, Gabriela! Acho até que vou mandar minhas confusões amorosas pra você (re)escrever de maneira tão legal assim ;))

    Beijoo'o

    ResponderExcluir
  6. Gente, adorei esse texto. Está lindo demais.

    M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de fevereiro. Você escolhe o livro que quer ganhar!

    ResponderExcluir
  7. Que lindo, Gabriela!
    "Partiu (e me partiu)". Quem nunca?
    E adorei o fato de que é de história de leitoras. Muito legal!

    Beijoooos

    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir
  8. "Amar é deixar ir e torcer pra que volte."

    Amar também é deixar ir tendo a certeza de que não volta. Amar é entender e aceitar o que é melhor pros dois. Amar é mágico, mas também é complicado.

    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E, vez ou outra, é triste
      Beijocas Ari ♥

      http://www.novaperspectiva.com/

      Excluir

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.