Nova Perspectiva

22 de novembro de 2014

Queira também

Via reprodução
Eu queria saber se você ainda pensa em mim, porque eu ainda penso em você. Penso muito. Principalmente nessas noites em que o café rega a insônia e a nossa música transborda do rádio. Principalmente quando faz frio e o teu corpo não está aqui para aquecer o meu.
Eu sei que é tarde e que você já deve ter conhecido um montão de sorrisos mais abertos e mais brancos que o meu, sei que já passou da hora e que amanhã é segunda-feira e que a minha voz ta rouca e que eu to um pouco alcoolizada. Sei que você já deve ter esquecido do meu número e que eu devia ter esquecido do seu. Eu sei. Mas eu queria saber se você já terminou o curso e como anda o mercado na sua área, você tinha tanto medo, lembra? E o TCC, como foi? Tenho certeza de que você se saiu bem. Eu entrei pra faculdade, finalmente, e já to até fazendo uns freelas, acredita? Acho que você ficaria orgulhoso por eu não ter desistido. Pelo menos não disso.
Dia desses passei em frente à casa dos seus pais e tudo estava tão silencioso. Fiquei um tempo lá na porta, tava tão escuro, tava tão sem graça. Tive vontade de tocar a campainha e vomitar o que mantenho engasgado em mim. Mas a casa tava vazia, ou todos já dormiam ou não queriam ser incomodados. Então eu só fiquei lá, estática, sentindo gosto de saudade. Saudade daquele café com leite e pão com manteiga da sua mãe. Saudades da gente, também. Saudades de tudo que eu deixei ali. Depois um casal novinho quis entrar e eu percebi que aquela casa não era mais a sua casa. E embora isso não me importasse mais – ou não devesse, pelo menos – meu coração ficou pequenininho sem saber onde você estava. Com quem você estava. Como você estava. E eu só queria saber se você está bem, porque, rapaz, eu não to não.
Queria te contar que eu to morando na esquina da santa cruz, naqueles predinhos antigos de tijolos laranja, com um quarto, um banheiro e a sala imensa. A cozinha é ótima, também, só falta aquele teu espaguete à bolonhesa. Só falta tuas roupas espremidas no guarda-roupa. Só falta teu cheiro no lado esquerdo da cama. Só falta teus cigarros espalhados pela casa. Só falta aquele vinho importado que embalava as nossas noites ao som de um jazz qualquer. Só falta a gente, sabe?
Eu queria saber se o nosso amor antigo ainda te veste, se as nossas risadas ainda se encaixam e se você ainda pensa em mim. Porque eu ainda penso, rapaz, eu sempre penso. Então, por favor, me queira também.

17 comentários:

  1. Nossa! Estou conhecendo o blog hoje, agora, e, meu Deus, me deparo logo assim de cara com esse texto maravilhoso! Lindo demais e eu senti muita realidade, pude montar cenas e eleger fases. Foi lindo. Eu adorei! Parabéns viu?!
    http://escrituras-da-alma.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Que lindo! Encontrei seu post divulgado la num cantinho do Coisas de Blogueira e pensei: por que nao? Cliquei e parei aqui... Tá chovendo forte lá fora e essa música rega a chuva tão bem...
    E seu texto me fez lágrimas, lágrimas porque também tenho uma pessoa em quem eu penso assim, que eu queria saber como ela tá e se deu tudo certo no final. Tenho certeza que sim, mas queria ouvir isso dele, ouvir a voz dele...

    Ai o amor e essa chuva e as madrugadas e a falta que as coisas bobas fazem...

    Amei eu blog e seu texto! Beijos e parabéns!

    http://www.klaryan.com

    ResponderExcluir
  3. Que texto mais lindo, Gabi. É o típico texto que faz a gente lembrar do que deveria já ter superado ou do que se tornou eterno no nosso coração; Quem já viveu uma história assim, não tem como não se emocionar.
    Adoro o jeito que tu escreves, pois tu vais detalhando cada coisinha entorno da história. Tu consegues nos transportar e sentir a situação. Parabéns!
    Beijinhos estalados e até mais.

    ResponderExcluir
  4. Coldplay é sacanagem com corações frágeis lindona! rs
    Texto lindo e triste. Não sei porque vejo beleza na tristeza.
    Perdi as contas de quantas vezes já fiquei intacta num lugar pensando em coisa seria e em como a pessoa esta.
    Espero que seja só literatura! rs

    Beijo

    ResponderExcluir
  5. Oie.
    Nossa, que texto ! Imaginei altas cenas aqui.
    Tristeza pegou, ainda mais com essa música...
    Bjooos
    http://www.azul-calcinha.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. O melhor desse texto nem é o fato de ser bonito, nem é o fato de ser bem escrito (por que é as duas coisas). É que todo mundo que lê COM CERTEZA pensa em algo/alguém. Não importa se pensa sempre, se pensa sem querer, se pensa de repente ou se pensar sem pensar realmente, mas é inevitável!
    Eu pensei...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Da série: comentários que fazem a gente morrer de amor mil vezes!!! ♥

      Excluir
  7. Oi!
    Seu blog tá liiiiiindo *-*
    Esse texto é maravilhoso. Impossível não se identificar.
    Sempre tem aquele amor que fica no "e se a gente tentasse de novo, ainda teria fim?"...

    http://eu-ludmilla.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Jesus Christ, que texto maravilhoso!
    Não posso mentir, me identifiquei em muitas partes dele.

    ResponderExcluir
  9. Gabi, adorei o texto, não tem nem como não se identificar mesmo que eu já esteja em outra fase e feliz com uma outra pessoa! Quem nunca né? HEHEHEHE Te indiquei numa TAG, se quiser responder ela ta aqui ó http://simsemfrescura.blogspot.com.br/2014/11/tag-liebster-awards.html, beijão!

    ResponderExcluir
  10. em momentos de pouca inspiração, basta eu ler um dos seus textos e a vontade de escrever surge de novo. Muito obrigada por isso <3

    não canso de te agradecer nos comentários. Mas ao ler seus textos esse é o sentimento que tenho. O de alegria por alguem canalizar a minha voz e a de tanta gente.

    beijo
    beinghellz.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Menina do céu! Não me canso de morrer de amor cada vez que você comenta. Obrigada digo eu, por me fazer sentir vontade de escrever e ter a chance de cruzar com elogios assim.
      Beijos ♥

      Excluir
  11. Como não se inspirar no seus textos? =) Ja compartilhei ele..

    E hoje me pergunto, será que ele pensa em mim? =/

    Beijos linda

    ResponderExcluir
  12. Que texto lindo, Gabi. Saudade dói, né? Ainda mais aquela que a gente não sabe se um dia realmente vai matá-la. Mas a vida tem que seguir e tem que construir novas lembranças, conhecer novas pessoas e não remoer tanto o passado. ;-)

    Beijos,
    Carol
    www.pequenajornalista.com.br

    ResponderExcluir
  13. Ninguém melhor pra colocar o simples do cotidiano num texto bem ao seu estilo.
    Sua abordagem continua original e isso passa a nunca te deixar, é uma moldura evolutiva para sua própria personalidade literária.

    Sabe disso, né?

    ResponderExcluir
  14. Saudade de um amor, às vezes, é uma das saudades que mais dói e incomoda.

    ResponderExcluir

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.