Nova Perspectiva

1 de novembro de 2014

De volta para casa

Via Reprodução
Foi em uma dessas manhãs de verão, depois que o despertador tocou, depois que o sol invadiu o quarto, depois que o café apitou no fogo, depois do banho, depois de secar o rosto, depois de limpar o espelho. Depois de tantos anos. Eu olhei pra frente, indiferentemente, e a vi ali. Um pouco mais alta, um pouco mais magra, um pouco mais loira, um pouco mais velha. Mas ali, presa naquele vidro embaçado, era ela, meu Deus, era ela! Tive certeza no instante em que os nossos olhos, castanho claro, refletiram um no outro.
Estava diferente do retrato salvo nas minhas recordações. Os dentes já não faziam suporte para o aparelho fixo com elásticos coloridos, quase sempre combinando com o seu humor, o cabelo longo perdeu a franja e o tom de mel, o óculos sempre pequeno que tentava, por vezes, não ser notado, cedeu lugar para armações maiores que interagem com seu rosto como se fossem parte dele, os olhos agora são cobertos por rímel e livres do inseparável lápis preto, os lábios grossos, que viviam opacos, estão revestidos com um batom vermelho cor de fogo. Mas o olhar, ah, o olhar! Esse está de volta, ainda que coberto por uma moldura mais madura, mais ácida, mais séria.
Olhar. Olhar atento, sereno, de uma apaixonada pela vida, pelo novo, pelo agora. Olhar puro, intenso, que sorri sem que seja necessário repuxar o canto da boca. Olhar. Olhar que revela e esconde quem é ela. Ela, enclausurada em um labirinto interno, trancafiada em um calabouço escuro, triste, amargo. Ela, menina-mulher, que eu tanto escondi e tanto busquei. Ela, que representa o fim dos meus dias ruins e o renascimento do ontem. Um ontem azul, com gosto de desapego, de liberdade, de amor, mas amor próprio, amor que salva o ego, o corpo, a alma. Amor que me salva.
Ali, refletida em mim, depois de tantos dias e tantos meses e tantos anos, era ela. E era eu, de volta para casa.

25 comentários:

  1. Seja bem vinda de volta! Sentimos sua falta por aqui.
    E como sempre nem tem o que dizer sobre seu texto, só sentir (L)

    Adorei
    Beijão

    ResponderExcluir
  2. Que bom que ela voltou, que bom que você voltou.
    Achei interessante o texto, porque além de se relacionar com o blog, também se relaciona com a gente, que por vezes no perdemos, pra depois nos acharmos novamente, diferentes, mas iguais.

    Beijoo e boa semana :)

    ResponderExcluir
  3. Há sempre alguém que escondemos e recluso na mente distancia da gente, ao mesmo tempo fica registrada em nossos caminhos feito um tesouro a ser reencontrado, porque amor é sempre uma casa a ser buscada. Porque viver é no fundo ir em busca dessa felicidade, dessa residência onde possamos repousar nosso olhar noutro olhar.

    Beijo!! saudade!

    http://www.elosnohorizonte.com

    ResponderExcluir
  4. Guria que texto lindo. Mostra bem como nos sentimos ás vezes. Juro que também me surpreendo ao me deparar comigo mesma as vezes... A vida passa, o tempo passa, passa o tempo de molecagem, de rebeldia, mas o olhar... esse é a janela da alma. Parabéns pelo lindo texto.
    Beijos

    http://vidasempretoebranco.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Que texto poderoso.

    Gostei muito.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  6. Que texto lindo, Gabriela! É bonito pq acredito que qualquer um que o ler conseguirá encontrar identificação. Por mais que as descrições físicas não batam, é impossível dizer que alguém nunca se sentiu assim. Eu me sinto assim o tempo todo, haha! Me perdendo e me encontrando.

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  7. Que lindeza, Gabriela. O tempo passa, as pessoas mudam, crescem, melhoram, se reencontram com alguém que deixou saudades, se reencontram consigo mesmas. Tudo isso é a vida agindo em nós!! ;))

    Adorei teu espaço, obrigada pela visita e pelas palavras lindas lá no Bem-me-quer. Espero te ver milhoes de vezes por lá ;)

    beijão

    ResponderExcluir
  8. Achei o texto lindo. O tempo passa e nem nos damos conta do quanto a nossa aparência muda. Mas o olhar é o mesmo .

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  9. Que texto mais maravilhoso Gabriela! Gostei demais. <3 <3 <3

    ResponderExcluir
  10. Menina, eu amei seu texto! Estou numa fase bem assim da vida. Mudei muito de uns tempos pra cá, acho que a fase adulta faz isso com a gente.
    Voltarei mais vezes com certeza.

    hhtp://bilhetedagarrafa.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  11. Queria eu conseguir escrever maravilhosamente bem assim *-*
    eu mudei muito de uns tempos pra ca também e volta e meia me pego me encontrando com quem eu era antes. Adorei o texto, você escreveu de uma maneira muito clara, adorei!

    Beijos,

    rodoviadezenove.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  12. Eu já tentei promover muitos encontros com "ela", mas ela anda meio decepcionada com o que me tornei :(

    No mais... texto maravilhoso! Me conta aí de onde tira tanta inspiração que eu quero também! HAHAH

    beijo
    beinghellz.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Gabi, esse texto descreve o que eu estou "quase" vivendo! Digo isso por que precisei passar por umas poucas e boas para aprender a me achar! Lindo, de verdade!

    ResponderExcluir
  14. O texto está lindo!

    r: Fico mesmo contente por ler isso. Se encontrares e leres, depois diz-me o que achaste :) sou suspeita, mas acho-o incrível.

    Volta quando quiseres ao meu blog, serás sempre bem-vinda*
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  15. Adorei o seu texto, muito reflexivo e combina com tanta gente que "se pega" amadurecendo e "envelhecendo". Me identifiquei em vários pontos e é tão bom amadurecer, além de ficar velha haha, não é?
    =)
    Beijos.

    ResponderExcluir
  16. Uau, você se expressa muito bem!
    Achei muito bacana a forma como fez as colocações.

    Preserve Suas Raízes | Fã Page

    ResponderExcluir
  17. Fiquei uns cinco minutos parada depois de ler, sem saber o que comentar.
    Que texto fantástico! Do tipo que fica na sua cabeça o dia inteiro, depois que vc leu. Bem escrito, cativante, simples na medida, e de tema super forte. Curti muito, de verdade.

    ResponderExcluir
  18. Gabriela, parabéns pelo cantinho! Amei!!

    Sobre o post, é bom quando nos reencontramos diversas vezes na vida, que mudamos, evoluímos, amadurecemos, mas sempre voltamos para nós mesmo =]

    Abraço Mika,
    Pensamentos Viajantes

    ResponderExcluir
  19. O primeiro amor que devemos ter é o de nós mesmas. Sempre erramos nisso. Pensamos que o primeiro amor é aquela pessoinha da escolinha e blá blá, porém tá tudo errado. O certo é amar nós mesmas primeiro.

    Bitocas!
    www.likeparadise.com.br

    ResponderExcluir
  20. Sabe aquele arrepio que dá atrás da nuca? Foi o que eu senti lendo esse texto. Muitas vezes vemos o tempo passar e se quer reparamos o quanto mudamos e o quanto nossas opiniões se tornaram divergentes com as de antigamente. Lendo este texto foi como se um flashback do que eu já fui, do que eu sou e do que eu quero ser passasse na minha mente. Hoje eu vejo que cresci fisicamente e mentalmente, posso ter um exterior muito parecido com o de anos atrás, mas já não vejo a mesma garotinha pelo que carrego no interior. Parabéns pelo texto, lindo e de ótima reflexão.

    ResponderExcluir
  21. Oi, Gabriela!
    Crescer, amadurecer... nem sempre nos tira desse labirinto interno. Tudo passa por um processo de libertação das amarras que nós mesmos impomos para ver o mundo azul, livre e desapegado do ego... Bem-vinda!! :D
    Beijus,

    ResponderExcluir
  22. Muito bom o texto, bem expressivo... a passagem da menina se tornando mulher de uma perspectiva bem interessante.
    :)

    ResponderExcluir
  23. Você sempre surpreendendo seus leitores com ótimas crônicas.
    O amadurecimento acompanha a sua escrita que fica cada vez mais bela.

    ResponderExcluir
  24. Muito linda essa forma de retratar o amadurecimento!
    Beijo

    ResponderExcluir
  25. Esse encontro consigo tão necessário, mas que tem o tempo certo de acontecer.
    É o mais lindo dos encontros, bem sei.
    Que você se reencontre com ela/você diariamente, Gabi!
    E sempre trazendo suas palavras leves por aqui.
    Beijo.

    ResponderExcluir

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.