Nova Perspectiva

3 de julho de 2014

Toda sua falta

Imagem retirada do site weheartit
Ela respira fundo e aumenta o volume do celular, “vai que ele liga e eu não escuto”. Mas ele não vai ligar e ela sabe disso. Tem os olhos distantes, o semblante cansado e um sorriso triste. Faz tempo que já se esqueceu o que é a tal da felicidade. Ajeita o cabelo num coque, apaga a luz e deita, fica contando as estrelas fluorescentes no teto torcendo para que uma cadente passe “é só plástico que brilha no escuro, sua boba”. Não é que ela seja infeliz, só que a felicidade perdeu o gosto, só teria graça se fosse com o moço de cabelo enroladinho e sorriso largo, ela sabe que faz mal condicionar sua vida a alguém, mas fazer o que, ele lhe roubou o direito de escolha (e o coração também). Dói diariamente uma dor profunda, silenciosa, aguda, quase ninguém sabe que ela chora oceanos toda vez que escuta o nome dele, e ela nem faz questão que saibam, prefere aparentar estar bem ao ter de mostrar seus hematomas. 

Observa o leve esvoaçar da cortina, mas é dentro de si que seu pensamento se encontra. A moça de traços leves e gestos doces optou por vestir uma armadura fria que não revela o quanto, por baixo de todo aquele aço, seu coração queima infernalmente de saudades do seu menino. Fecha os olhos e escuta a risada dele, é como se estivessem juntos e fossem, novamente, um do outro. O sono vem, gradativo, e aos poucos o corpo vai perdendo a rigidez de quem vive todo dia lutando contra si mesmo, antes de ceder pro cansaço pede pra estrela cadente que não veio “que ele volte, por favor, que ele volte pra mim”. Mas ele não vai voltar e ela sabe disso. Tem medo dos sonhos, porque o despertar é sempre doloroso, mas anseia por eles, já que é onde eles se encontram, perdidos, embaralhados, confusos, mas um do outro. Olhando ela dormir tão quietinha dá até para ver a sua dor, a mente inquieta reflete na marca tensionada na testa: ela pensa enrugando cada cantinho do rosto. 

Tudo nela é intenso, o jeito como consegue sorrir com a boca e com os olhos, mais com os olhos do que com a boca, a verborragia toda sobre o certo e o errado, a direita e a esquerda, o vício de pontuar o mundo, ela virgula tudo, exclama o tempo todo, só o ponto final que é proibido, ela também é intensa na mania de sentir as dores de todo mundo, quer pegar pra si cada problema, transforma chuva em tempestade e tempestade em garoinha. Diz tudo em entrelinhas, mas quando tudo tem a dizer se cala. Ela é muito mais que a sua dor, mas a dor tem sido tudo nela. O silêncio do lado de fora relata que a madrugada chegou, é tarde quando a mão dela tateia a dele, entristecendo-a ainda mais ao notar que tudo o que consegue agarrar é a solidão do travesseiro vazio, foi só um pesadelo, mais um, e ele não tá lá para dizer que vai ficar tudo bem. “Vai passar, vai passar”. Mas não vai, e ela sabe disso.
Texto para o projeto 642 coisas sobre as quais escrever ♥

44 comentários:

  1. Lindo texto! ♥ Adorei o jeito como você descreveu a garota no finalzinho, é muito fácil de se identificar também...

    tofalandoisa.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Ela está certa, mas não em tudo. Ele realmente não vai ligar nem segurar a mão dela, mas a dor, de um jeito oh de outro, vai passar.
    xoxo

    S2juuh.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Nossa, amei o texto e fiquei super feliz em saber que ele foi escrito para o projeto *-*

    meu blog ♥

    ResponderExcluir
  4. Vez ou outra condicionamos mesmo nossa felicidade a outra pessoa. E quando tudo vem ao chão parece que não tem jeito. Acho que só o tempo pode amenizar toda aquela dor, mas tb não acho que a cicatriz que fica desaparece algum dia... De certa forma a pessoa leva um pedaço da gente... Lindo, lindo texto! :)

    primaveravintage.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Olha eu aqui novamente, rs. Vi que tinha mais texto e vim correndo para ler. A imagem que escolheu é perfeita para o texto. Me arrepiei :s Miiiil beeeeeejus! ♥

    www.dallyse.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. É sempre difícil afastar a sombra de uma presença, ainda mais quando ela se tornou tão marcante. Mas uma hora a dor passa. Passa sim.
    Lindo texto Gabi! Como sempre!

    Beijão!

    ResponderExcluir
  7. Nada é mais íntimo do que a dor.
    GK

    ResponderExcluir
  8. Que texto lindo, e sim pode pegar lá a Tag :)
    adorei o layout.

    Abraços, Edwin.
    www.oquefaltou.com|Facebook|Twitter|Instagram

    ResponderExcluir
  9. Bacana esse projeto e o seu texto está de mais! Parabéns pela escrita, é melancólica de uma forma leve, adorei!

    Bjs, Raquel

    morethanaworld.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. A saudade é a alma dizendo pra onde querermos ir.
    Mas somos inerente a voz dessa alma.
    Gostei muito do texto, o blog tambem esta lindo.

    Beijos Gabi

    ResponderExcluir
  11. Gabriela, que texto lindo! A pior parte do amor é essa: quando a gente ainda sente, mas não há mais reciprocidade. Já passei por algo parecido a dor que fica na gente é dilacerante. E sempre mantemos aquele "fiozinho de esperança", mesmo tendo certeza de que nada mais acontecerá. É complicado...
    Amo a forma como você escreve, como lida bem com as palavras, fazendo tudo se encaixar perfeitamente. <3 Estou ansiosa para ler seus outros textos do projeto!

    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  12. Caramba, Gabi, dá pra ler com nó na garganta e se identificar com cada linha. Tão frustrante creditar a nossa felicidade ao outro. Mas esperança é o que se leva no fundo da alma. Que passe!

    ResponderExcluir
  13. E quantas não passamos por situações parecidas né? Muito bonito o texto, adorei seu blog... Farei minhas visitas, adoro esse tipo de leitura... beijos

    www.vireigentegrande.com

    ResponderExcluir
  14. Eis um grande desafio na vida: esquecer o que aprendemos a amar. Tudo se complica quando temos ciência que não há mais chances, mas a esperança continua viva. Dói. Dói muito. Porém, ela um dia vai se surpreender. Sabe por quê? Porque ela vai aprender lidar com tudo isso e descobri que a dor não é eterna, que a felicidade ainda é possível. Lindo texto. Beijos.

    ResponderExcluir
  15. Caramba, mais um projeto que eu preciso participar! Achei incrível a proposta!
    E quanto ao seu texto, é complicada essa dor do fim, já passei muito por ela e sofri demais. Porém, o tempo não cura, sabe, o tempo nos faz esquecer. Não tudo, mas fragmentos, e aí a gente consegue lidar melhor.
    Enfim, belíssimo texto, espero ler outros dessa tag por aqui! *-*

    Beijos.

    ResponderExcluir
  16. Oii,

    Nossa, eu já passei por isso... O bom que passou, mas me vi descrita no seu texto. Você escreve muito e divulgue os demais please :)

    Beijinhos,
    Blog EC&M | entrechocolatesemusicas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  17. É bem difícil desvencilhar-se das armadilhas que a nossa mente cria.
    Ela não quer que deixemos aquilo que foi bom ir embora, mas é preciso, seja devagar ou de supetão, tanto faz! Tem que deixar ir embora!
    É complicado entender que o que fomos pode não ser mais e aí a coisa aperta!
    Dói tudo e vai continuar a doendo pelo tempo que nos permitimos sentir isso.
    Passei por aqui pela primeira vez e gostei muito do que li.
    Parabéns, moça!

    Bjs
    Thatá

    ResponderExcluir
  18. Triste e lindo... Todo mundo já passou por algo parecido, né? Essa dor que parece não ir embora nunca... <3

    ResponderExcluir
  19. Lindo texto, muito bem escrito; passar por uma fase e sentir o que a personagem sente é tão doloroso.
    Sorteio do livro "Fahrenheit 451" no blog, participe: petalasdeliberdade.blogspot.com .

    ResponderExcluir
  20. Doce e triste, sempre me identifico!
    Bjs, boa semana moça!

    ResponderExcluir
  21. Ahhh, to louca pra participar desta tag <3 Eu ja entrei no rupo, só espero que eles me aceitem, ela parece ser MUITO interessante, adoraria fazê-la *--*
    Aliás, seus textos são incriveis, eu simplesmente amo eles. Parabens!
    http://buscandosonhos.com/

    ResponderExcluir
  22. Adoro suas palavras Gabi!
    Me vi muito nesse texto.. até demais.. isso há tempos atrás!

    www.chadecalmila.com

    ResponderExcluir
  23. Lindo texto Gabi, você escreve muito bem.
    Tenho medo dador da saudade, e não quero sentir isso tão cedo.

    Um beijo ♡
    http://dearitgirl.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  24. Lindo e triste ao mesmo tempo. Quem nunca se sentiu assim? Parabéns pelo texto.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  25. Que lindo seu texto, você escreve muito bem! :')

    Fan Page l @PriscilaFrr
    xoxo.

    ResponderExcluir
  26. Singelamente lindo e maravilhoso, eu to amando a sua forma de escrever menina! Muitos aplausos pra você! Serio! Sinto cada palavra, cada sentimento que o texto transmite, sinto tudo.
    Amei!
    Muitos parabéns, continue assim! HAHA
    beijão
    http://cheiade-alegria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  27. Sobre ler seu texto e me identificar em cada palavra, principalmente nessa parte "a rigidez de quem vive todo dia lutando contra si mesmo". Fiquei impressionada, espero por outros!

    La Diabolique - Fan Page

    ResponderExcluir
  28. "O vício de pontuar o mundo, ela virgula tudo, exclama o tempo todo, só o ponto final que é proibido". O ponto final é proibido para mim, também. Ele traz consigo certeza demais, e a vida tem certezas de menos. Eu gosto é das reticências... Tem um trecho de um livro que li (e do qual eu gosto muito: 'Os Sofrimentos do Jovem Werther', caso queira saber), que diz: "Não gosto de empregar reticências, contudo não consigo exprimir-me aqui de outro modo — contudo parece que está tudo suficientemente claro". Ou seja, é por isso que EU gosto das reticências: elas são claras em sua própria infinidade de incertezas...

    Beijos ♥ Jeito Único

    ResponderExcluir
  29. Muito bom teu texto <3. Achei super romântico, beeem melancólico. Atualmente nem estou me sentindo tocada por essas coisas, ainda bem, já que recentemente passei por maus bocados. Mas tá tudo azul agora e acabei interpretando esse texto de outra maneira.

    Adorei as seguintes passagens:

    "a rigidez de quem vive todo dia lutando contra si mesmo" e;

    "Ela é muito mais que a sua dor, mas a dor tem sido tudo nela."

    Beijo :*

    ResponderExcluir
  30. Ah Meu Deus..mas que texto sobre saudades...tão triste e tão íntimo da alma.EU AME <3
    E vou procurar mais sobre esse projeto,goooostei,ehehehehehe :)


    Amo esse blog..tem textos lindos ^^

    beeijinhos
    http://carolhermanas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  31. A parte mais triste é que em grande parte das vezes "ela" sabe de tudo isso, né?
    Texto lindo, amei! Muito bacana esse projeto!

    ResponderExcluir
  32. Texto melancólico, porém lindo! E me identifiquei com algumas características descritas, principalmente sobre essa "diz tudo em entrelinhas, mas quando tudo tem a dizer se cala", dava até pra ser uma descrição de perfil minha, rs. Menina, tu escreve lindamente! Cada vez que entro aqui fico boba, faz até parecer fácil. Um beijo!

    ResponderExcluir
  33. Ai que dorzinha chata que incomoda bastante né? Essa dorzinha é chata e o ruim é que não tem hora pra passar, as vezes acontece com "ela" e as vezes acontece com "ele". E o mais ruim é saber que todo mundo passa por esse sentimento um dia, seja por um ele ♥ ou por alguma amizade ou familiar </3 Enfim, gostei do texto, triste porém com sentimentos realistas. Nem todos tem seu "para sempre" :(

    Bitocas!
    www.likeparadise.com.br

    ResponderExcluir
  34. Ótimo texto, escrita perfeita!!!

    Beijos,
    Quero Sonhar. [tem post novo e sorteio ♥]

    ResponderExcluir
  35. Gostei muito do texto! Ficou tão intenso e sei lá, eu me envolvi com a escrita e sentimento da personagem...

    ResponderExcluir
  36. Isso é invasão de privacidade, você escreve como se falasse dos meus sentimentos. Caramba! Adorei o texto, o blog... adorei.

    ResponderExcluir
  37. Obrigada pela visita no meu blog!

    Olha, gostei muito dos seus textos. Você escreve bem, parabéns. Vou passar mais um tempinho aqui lendo os posts antigos, pq tá tudo muito legal! O seu cantinho é uma delícia de estar.

    Parabéns, de novo! :))))

    ResponderExcluir
  38. Nossa, que texto maravilhoso! Lendo parece que é comigo que está acontecendo, fantástico.
    e-nquantoisso.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  39. Que texto lindo, triste, porém lindo. Muito bem escrito, mas eu torci para ter um finalzinho um pouco mais feliz.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  40. Sei bem como essa moça se sente. Já me senti assim. Hoje, vivo de um modo menos intenso. Não porque não quero mais viver nos 220v, mas sim porque meu corpo adquiriu calmaria mesmo em meio a tristezas bem grandes. O lance é tentar se reerguer independente do que aconteça, mesmo que seja um levantar doloroso e deveras difícil.
    A vida nos chama e não há tempo pra ser desperdiçado.
    Sempre dá pra ver alegria em meio ao caos.

    Um abraço!

    Sacudindo Palavras

    ResponderExcluir
  41. Excelente texto, posso ser fácil e dizer que eu me identifiquei muito com o ele?
    Acho que somos duas intensas pessoas rs.

    ResponderExcluir
  42. Texto lindo e doloroso. Gabriela, tenho que dizer que já me senti desse mesmo jeito, e dói mesmo. Dói de saudade, de amor, dói até sonhar. Mas passa. Aprendi, a duras penas mesmo, que passa. Passa, e quando a gente menos espera vem um sentimento bom de novo, chega aos pouquinhos, ou avassala, e faz um bem danado. E no final das contas ninguém nem sabe onde vai dar, e se vai doer de novo, mas vai querer viver tudo assim mesmo.
    Beijo grande :*

    ResponderExcluir
  43. Parabéns Gabriela texto muito lindo www.mandaliveira.blogspot.com

    ResponderExcluir

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.