Nova Perspectiva

10 de junho de 2014

Acaso

Imagem retirada do site weheartit
A gente se conheceu sem querer no vagão do trem às seis da tarde num calor insuportável, ela tinha os cabelos presos em um cabo de cavalo que dava vontade de agarrar, os olhos me remetiam a Capitu, do Bentinho, nos lábios o vermelho intenso refletia o rosto sexy. Eu quis levá-la para minha casa antes mesmo de saber seu nome. Não sei se ela percebeu o quão hipnotizado eu estava, mas perdi minha estação.
Era uma terça-feira de fevereiro, eu estava exausta, o termômetro devia estar marcando uns trinta e cinco graus o que dava a sensação de ter o corpo desintegrando. Ele não parava de me olhar, não que isso fosse algo raro, mas ele não fazia o estilo tarado do trem. De qualquer maneira, eu teria o notado, ele era lindo, alto, forte, tinha a pele morena e um jeito instigante de passar a mão pela barba. Eu quis dar o meu cartão pra ele, marcar um encontro, jogar uma conversa fora, ir pra casa com ele. Até que a minha estação chegou e ele desceu comigo.
- Onde você vai?
- Pra minha casa, se você me soltar, é claro.
- Por que não vamos para a minha?
- Tentador, mas não.
- Por quê?
- Simples, eu não conheço você, e não to afim de sexo casual, hoje, pelo menos, não.
- Não to falando de sexo, não só de sexo. To falando de um bom vinho, uma pizza quentinha, um jazz de fundo. Meu nome é Pierre, vinte e quatro anos, arquiteto.
- Ágil, mas eu prefiro ir pra minha.
- Tudo bem. Vamos juntos.
- Pra minha casa?
- Por que não?
- Por que você não me conhece.
- Então se apresenta.
Ela sorria em segredo, quase não deixava transparecer o quanto estava adorando ser abordada daquela maneira. Estávamos no meio da passarela, alguém tumultuava um pouco atrás, mas o mundo parecia quieto diante a beleza daquela mulher.
Pierre era lindo, charmoso, instigante. Tive vontade de segurar na mão dele e sair correndo para qualquer lugar, talvez um café, ou um motel. Eu não conhecia aquele rapaz, mas tive a sensação de que era o amor da minha vida.
- Michele, vinte e dois anos, advogada. Quase advogada.
- Agora podemos ir?
- Pra onde?
- Pra sua casa, ué.
- Você é maluco.
A risada dela tinha som de primavera, eu tive vontade de fazê-la rir só pra nunca mais sentir meu peito invernizar.
- Eu to maluco.
- Ta?
- Vamos sair daqui?
- Vamos.
Eu tive medo de que ele fosse louco, mas tive ainda mais medo de não agarrar nos braços dele e perde-lo para sempre. Eu quis casar com ele, naquele instante, no meio da estação Santa Cecilia no horário de pico.
- Chega, to cansada.
- Não para agora, estamos chegando.
- Onde?
- Você vai ver. Vem.
Ela corria segurando no meu braço, eu sentia vontade de abraça-la e protegê-la, quis guardá-la dentro de mim, só pra mim.
- Chegamos.
- Numa praça?
- Na nossa praça.
- Que?
- Eu vinha aqui com o meu pai quando eu era criança, ele morreu tem uns anos e eu nunca mais vim aqui. Tive vontade de te mostrar.
- Obrigada.
- Disponha. No mais, ela ta aqui todo dia.
- Por que eu?
- Como assim?
- Por que você escolheu eu para trazer aqui?
- Não sei, eu só tive vontade de ficar aqui com você esperando a noite passar. Cê’ ta com frio?
- Não muito.
- Toma a minha blusa então.
- Não precisa, sério.
- Precisa sim.
E ele sentou ali, que nem uma criança, igual a criança que ele devia ser quando o pai dele o levava lá, e chorou. Eu sentei do lado e o abracei. Eu já o conhecia a décadas, pelo menos dentro de mim.
- Vamos pra minha casa? Tá tarde, o metrô vai fechar e é melhor você ficar por aqui, comigo.
- Vamos, obrigado.
Ela me tomou pela mão e não falou mais nada, nem eu, mas o nosso silêncio já revelava aquilo que eu nunca tinha acreditado: o amor nasce de repente, na mudança de uma estação, na troca de um olhar, num sorriso retribuído.
- Chegamos.
- Belo apartamento, você mora sozinha?
- Obrigada, moro sim. Fique à vontade.
- Já estou.
- Ótimo!
- Que tal uma pizza?
- Boa ideia, devo ter um vinho por aqui, vai pedindo enquanto eu acho, tem uns anúncios na gaveta.
- Qual sabor?
- Tanto faz, do que cê’ gosta?
- Tanto faz, agora eu só gosto de você.
- Bobo, pede uma de portuguesa.
- Chega em meia hora, achou o vinho?
- Achei.
Foi quando ele me beijou que eu vi o mundo parar pela primeira vez, e desde então ele nunca mais girou da mesma maneira. Eu nunca acreditei em alma gêmea, nem em amor a primeira vista, mas desde de a nossa primeira troca de olhar eu acreditei na gente.
- Mais um pedaço?
- Não, pelo amor, já comi demais.
- Dois pedaços é demais? Ah vocês mulheres...
- Ei, você não ficou muito na minha frente.
- Claro que não, só comi metade da pizza.
- Só isso, oras.
- Eu nunca mais vou embora.
- Da minha casa?
- Da sua vida.
- Não mesmo, eu não deixaria.
- Eu sei, não é tão fácil conseguir um partidão assim.
- Metido!
Do lado de fora da janela o mundo sonorizava o nosso primeiro encontro, as cortinas dançavam conforme o ritmo do amor que evaporava de nós. Nossos corpos foram se unindo, pouco a pouco, o cheiro dela se aglutinou ao meu, nossos hálitos se transformaram em uma coisa só, assim como nós dois. O amor não tem um formato, um rosto, um cheiro, mas se tivesse estaria pintado naquela sala.
- Eu tenho que ir.
- São só seis horas.
- Eu queria poder ficar mais.
- Você volta?
- Todo dia.
- Promete?
- Prometo. Me passa o seu número.
Tive medo dele nunca me ligar, dele sair pela porta da frente e deixar de recordação somente as taças de vinho pela metade esquecidas na mesa de centro ao lado do nosso amor, tive medo de que com a partida dele o meu coração se partisse também, de que depois daquela noite eu nunca mais fosse inteira. Mas ele me ligou no dia seguinte, e no outro também, e na semana seguinte, e todo dia desde então eu escuto a voz grossa dele no telefone me dando bom dia, porque eu quase nunca to acordada quando ele levanta da nossa cama e vai trabalhar.

Sem vergonha nenhuma na cara to desenferrujando a tag de contos depois de um milhão de anos, fiquei enferrujada também, mas vou melhorando, prometo não ficar tanto tempo sem escrevê-los.

33 comentários:

  1. gostei da forma que escreve foi muito bom...
    Passa no meu blog pra conhecer. Se gostar e seguir me dando uma forcinha, sigo tb!
    www.makeolatras.blogspot.com.br
    Bjsss =]

    ResponderExcluir
  2. Poxa esse texto daria uma boa cena de filme, daqueles que eu tenho vontade que um dia aconteça comigo! Amei, juro.


    Um beijo ♡
    http://dearitgirl.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Eu adoro os seus contos, pois é fácil imaginar a cena e sentir de alguma forma o que as personagens estão vivendo. Beijinhos.

    ResponderExcluir
  4. Ameei
    Mt lindo
    Super concordo com a Marcela Miranda
    Beijos :*
    http://ingridegoes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Adorei o conto! Eu fiquei com medo pelos personagens, de se encontrarem do nada assim e ir para a casa do outro haha' sou muito desconfiada gente! Mesmo assim adorei o conto, o final principalmente. Você escreve muito bem *-*

    ResponderExcluir
  6. É sempre bom ler seus textos.
    Um Ótimo final de semana
    beijos

    ResponderExcluir
  7. Amei seu conto, tenho um fraco por contos sobre amores a primeira vista <3 Sinceramente, eu desconfiei do Pierre, pensava que ele fosse bandido-estuprador-mau-caráter, mas era só... Bem, o Pierre. Deverias escrever um livro :)
    Beijos || Unlocked Land ❤

    ResponderExcluir
  8. Adoro diálogos assim. E acredito que as pessoas podem se conhecer, se atrair de um modo instantâneo, sentir que tem uma conexão.

    ResponderExcluir
  9. As maiores histórias de amor sempre nascem de um acaso. Gostei demais da narrativa e da história e principalmente da conexão entre os personagens.
    cronicasdeumlunatico.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Adorei, simplesmente simples e completo!
    Bjs.
    Evani :)

    ResponderExcluir
  11. Auuuuuwn, eu amei."som de primavera" foi minha frase preferida,ehehehehhe.É sério, ficou MUITO booom :)
    Aliás, o texto inteiro ficou maravilhoso.Nunca sabemos quando esse sentimento louco vai mudar a nossa vida né? ^^


    beeijos flor ^^
    http://semolhe.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Lindo conto! As conexões as vezes acontecem por acaso. A gente nem espera!

    Bjs de Filipinas,
    Gabi Barbará
    Barbaridades!

    ResponderExcluir
  13. Que insano, um insano doce sabe?
    Gostei to texto, gostei principalmente do desfecho e das últimas linhas... Tão bonito, tão sinceroe impossível! Deu até vontade de andar um pouco mais de metrô, haha.

    tofalandoisa.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  14. Adorei o conto, você escreve de uma forma encantadora, parabéns e muito sucesso!
    http://cupcakedegarotas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  15. Meio louco isso, mas bem tentador. Acho que eu ficaria pensando: "Possível sequestrador", "Serial killer" e etc, então acho que nunca passaria por uma situação dessa, mas bem que gostaria de passar. Gostei muito do seu texto, no começo lembrei de alguém que conheci no ônibus e sorri diante das lembranças. Gostei bastante mesmo, você conseguiu voltar no tempo pra mim...
    Beijosss

    ResponderExcluir
  16. Muito bom o texto. Eu não teria essa coragem toda não, acabou de conhecer, sei lá. Mas adorei o final hehehhe.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  17. Que conto lindo, continua e pode virar filme! oidsjfiosdjfis ♥
    e-nquantoisso.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  18. Que bonito Gabi! Um encontro escrito hein? Adoro finais felizes. Lindíssimo conto. :)

    Beijão!!

    ResponderExcluir
  19. Uau, adorei! Adorei a improbabilidade da coisa ao mesmo tempo que a história toma rumo. é tão gostosinha de ler, quando acaba dá aquela sensação de "aaaahhhh :(", gostinho de quero mais..
    Parabens, viu???? *-*

    beijos, www.divasblog.com.br <3

    ResponderExcluir
  20. Gostei muito, um diálogo divertido e dinâmico. Adorei <3


    memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  21. Ola|! é bem difícil encontrar textos assim em blogs, ainda mais com diálogos tao fofos hahaha adorei, não...amei!

    Beijos Joi Cardoso
    Estante Diagonal

    ResponderExcluir
  22. OBS já estou te seguindo linda! Não deixe de nos visitar!
    Beijos Joi Cardoso
    Estante Diagonal

    ResponderExcluir
  23. Se todos os contos forem dessa qualidade, você não deve deixar de escrevê-los mesmo! Parece roteiro de um curta muito bonitinho, com uma moça meio hippie (ok, ela é advogada e talvez isso não combine, mas foi assim que imaginei enquanto lia) e um lindo de um arquiteto (arquitetos são sexys, haha - disse a arquiteta nada sexy). Adorei o texto, apesar da evidente rapidez dos acontecimentos, eu acreditei que pode acontecer, e é aí que está a mágica. Lindo! :)

    ResponderExcluir
  24. Adorei o diálogo, sério! Me fez lembrar o livro 'O mundo de vidro', principalmente a parte na estação... Ai, que coisa linda! Tudo bem que eu acho que ficara com medo de um cara do nada vir falar comigo e etc, mas as cenas que se formaram em minha cabeça foram lindas :')

    Beijos
    Blog Procurei em Sonhos

    ResponderExcluir
  25. Belo texto flor, super bem escrito e com bons diálogos
    Beijos
    http://segredosdacahlima.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  26. Tu escreve muito bem!! Adorei! Amo romances que começam em estações, porque na minha cidade tem uma antiga estação e as vezes eu fico lá pensando como era a vida antigamente, kk
    Gostei muito! Parabéns, não pare de escrever!
    beijao
    http://cheiade-alegria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  27. Isso seria loucura se acontecesse, mas seria bom ao mesmo tempo né? Uma loucura boa, já que a pessoa que entra na nossa vida e faz feliz é ótima. Adorei o texto!

    Bitocas!
    www.likeparadise.com.br

    ResponderExcluir
  28. Gostei do conto (:
    http://oblogdatatii.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  29. Texto intenso, bacana, daqueles que leio e consigo "caracterizar mentalmente" cada momento com tal perfeição, que parece que estou assistindo um filme. E mais: amores à primeira vista são interessantes por si mesmos e desejáveis por qualquer um!

    Beijos ♥ Jeito Único

    ResponderExcluir
  30. Oi, Flor! Tudo bom?
    Ai Gabi, que texto lindo, sorri praticamente o tempo todo e em alguns com lágrimas nos olhos. Queria tanto, do fundo do coração que algo assim acontecesse comigo, de verdade. Acho tão lindo e único, a maneira como eles se conheceram, o jeito atrevido e decidido dele, não tem mulher que resista! Talvez o maior problema é vencer o medo não é? Levar um estranho para a sua casa ou ir para a casa dele, hoje em dia nunca se sabe, o medo sempre prevalece!
    Mas essa é uma linda história de amor, senti como se estivesse no melhor momento de um livro que me encantou e já quero mais, acho que você deveria ter escrito mais! [Olha eu exigindo aqui de você!]
    Mas parabéns pelo texto, foi uma ótima maneira para começar minha manhã, estou com o coração leve e um sorriso bobo nos lábios! Espero ler mais histórias assim, não desista, você tem uma fã aqui <3

    Beijinhos,
    Percepções Blog | Grupo: Mais um livro, Por favor!

    ResponderExcluir
  31. Ah PFV! Que diálogo magnífico! Romance não me atrai, mas amei de coração a alternância de narrador, ficou lindo, compreensível e inspirador, mds *-*

    xoxoxo
    ugdu :)

    ResponderExcluir
  32. "Awn que lindo. Ele é arquiteto, já pensou que louco seria se ela fosse advogada... Ai meu Deus!" kkkk assim foi eu lendo essa linda história, que tem um poder sobrenatural de me ganhar. Gostei mesmo. Achei lindo, e quando leio tento vivenciar cada palavra escrita (ah, pretendo ser advoga um dia u.u kk) e tenho até medo de virar uma iludida por causa disso viu u.u kk mas bem que seria bom... Novamente, estou encantada por mais uma de suas crianções :))

    uma-quase-perfeita.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.