Nova Perspectiva

9 de dezembro de 2012

Acorda Alice.

Via reprodução
Estrada é um lugar tão nostálgico, transforma qualquer música na trilha sonora da sua história e faz com que você se sinta como uma daquelas personagens bobinhas da sessão da tarde que sofrem pelo galã galinha que tem medo de amar.
Por algum motivo vejo seus olhos enquanto o carro ultrapassa o pouco do verde que resta em São Paulo, eu nunca gostei de filmes água com açúcar, mas me entreguei de corpo e alma nessa nossa história clichê cheia de encontros e desencontros de dois personagens que por descuido do destino se cruzaram em um verão adormecido no passado. Eu nunca entendi as regras do seu jogo, mas sem medo de perder eu te amei por setenta e dois meses, confiei meu coração a você e o recebi remendado com tecidos velhos de uma esperança acabada. Doeu tanto que eu criei um país das maravilhas e me fiz Alice, vesti uma viseira para não ter de encarar toda a podridão entre nós, deixei crescer a ilusão de amor correspondido e projetei uma relação inexistente. Não se ama por dois, mas eu amei. Fiz de tudo para não ter que aceitar o fato de que eu e você nunca fomos nós.
Não se sustenta um prédio em ruínas com colunas rachadas, em um dia qualquer a verdade arromba sua porta e o vento de constatações faz com que todas as poeiras que ficavam de baixo do tapete se espalhem por todos os cômodos desse falso paraíso. Então do jeito mais difícil você acaba descobrindo que não se cria amor em terreno de erva daninha.

20 comentários:

  1. Olha só, blog de cara nova, muito bonito, parabéns.

    "Não se sustenta um prédio em ruínas com colunas rachadas..."
    Sabe que é verdade mesmo? Preciso pensar nisso .

    ResponderExcluir
  2. É incrível como tu brinca com as palavras e põe todo sentimento nelas. Tantas verdades nesse teu texto. E sim, a estrada é realmente um lugar muito nostálgico...

    ResponderExcluir
  3. Nossa, arrepiei com esse texto! Parece que você escolheu cada palavra de um jeito tão esponteneo e perfeito que acabou por dar um sentido mais forte pra elas! Muito bom mesmo, Gabi!

    ResponderExcluir
  4. Gabi!

    Sempre me demoro aqui, eu sei que sumi...e sempre dou essas de desaparecer. Mas é a correria da faculdade e serviço. Enfim sempre amo ler o seu canto, pois escrever tão bem :)

    E esse papo de amor por dois é a mais pura realidade, acontece. Mas é também a maior furada! Sempre ame, mas na quantidade certa. 50% cada, lembre-se disse ;)


    Bjs!

    ResponderExcluir
  5. Não se cria amor em terreno de erva daninha, concordo. Mas, como o amor não é um prédio, apesar de a metáfora ser boa, acredito que é possível lutar por ele e a ordem de construção das coisas não necessariamente segue a mesma ordem da engenharia.. :)

    Não precisa fazer sentido, mas tem que ser bom. Tem que ter confiança, carinho e respeito.. ^^

    ;*

    ResponderExcluir
  6. Oi Gabi,
    Texto muito bom, gosto das suas sacadas e das suas metáforas. Parabéns!
    Me identifiquei muito com o começo...
    Beijo, tenha uma ótima semana
     Just Carol

    ResponderExcluir
  7. Que texto lindo, adorei muito Gabriela. Tu escreves muito bem!

    :*

    ResponderExcluir
  8. muito lindo, tenho estado meio fixada nessa coisa de Alice tambem, e nunca tinha encontrado um conto tão lindo com uma metáfora tão tristemente verdadeira. pois é, as vezes simplesmente não queremos ver a verdade. Lindo texto, adorei ^^
    acho que vou aderir à sua ideia de uma continuação, e vou voltar com os contos tambem *-*
    beeijos

    ResponderExcluir
  9. ficará tudo bem - depois de um amor doido, o que nos resta senão curar a ferida e ficar bem?

    ResponderExcluir
  10. Anos atrás, fiz uma viagem para Minas e tive a mesma sensação: o sol estava nascendo naquela estrada, caminho de areia. Tocava "Confesso" da Ana carolina no ônibus. parei para ouvir. Desde então, é uma de minhas canções prediletas. E, naturalmente, envolvia alguma. Alguém que está distante agora.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  11. Anos atrás, fiz uma viagem para Minas e tive a mesma sensação: o sol estava nascendo naquela estrada, caminho de areia. Tocava "Confesso" da Ana carolina no ônibus. parei para ouvir. Desde então, é uma de minhas canções prediletas. E, naturalmente, envolvia alguma. Alguém que está distante agora.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  12. As coisas aqui mudaram...mas sua forma encantadora de escolher as palavras não.
    Sei que tô meio ausente nos comentários, mas leio todos os blogs que sigo pelo G. reader, mas ainda não aprendi a comentar por la. Hoje resolvi dar um tempinho e entrar um por um. Beijos e um ótimo fim de ano para você!

    ResponderExcluir
  13. Que forte isso! Lindooo!

    Gostaria de te convidar para conhecer minha loja virtual, a FaberShop (www.fabershop.com.br), e participar do sorteio do maxi colar na Fanpage do Facebook (www.facebook.com/lojafabershop).
    Obrigada!

    ResponderExcluir
  14. Parabéns Gabi, muito bom teu jogo de palavras nesta forma espontânea. Sinto saudades de sao paulo

    Visite: www.matheusbaw.blogspot.com

    textos novos!

    ResponderExcluir
  15. Texto forte, sincero e embora triste muito bonito!

    "Não se sustenta um prédio em ruínas com colunas rachadas" levarei essa frase pra vida!

    Bj

    ResponderExcluir
  16. Muito boa o texto.
    As criamos expectativas demais em cima das pessoas, e tentamos fazer sozinhas o que queríamos que elas fizessem por nós, mas chega um dia que a gente cansa e o castelo desaba e enfim vemos e sentimos lutamos sozinhos, então devemos reconstruir a confiança e o sentimento dentro de nós, e lutar e esperar com fé, Deus tem o melhor para gente, basta acreditarmos.

    beijooo

    ResponderExcluir
  17. Eu adoro metáforas e esse texto é um banquete delas. Posso dizer que vivo faminto dessas figuras de linguagem.

    Você as temperou e deixou tudo como prato principal. Assim acabarei guloso demais, mas fez bem.

    Acompanharei as próximas refeições de seu cardápio literário.

    ResponderExcluir
  18. A pior coisa é tentar consertar rachaduras. Não importa o que usemos uma hora tudo vai desabar.
    Não tem nada mais destrutivo do que amar por dois.

    http://osonhodeumaflauta.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  19. "Estrada é um lugar tão nostálgico, transforma qualquer música na trilha sonora da sua história" - nossa, isso é incrível, eu sempre pensei a mesma coisa!
    e poxa, Gabi, que texto maravilhoso! De fato, é melancólico, mas é isso que é o amor. Mas mesmo assim, gostei tanto dele, dos termos que você utilizou, dos jogos de palavras. incrível!
    :*

    ResponderExcluir

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.