Nova Perspectiva

22 de novembro de 2012

Cinco anos.

Via reprodução
Não ando sentindo muita vontade de escrever, mas achei que essa data merecia um texto.
Agora faz cinco anos que essa nossa história começou a ser escrita e sinceramente eu não ia te escrever, por isso fui dormir mais cedo do que o normal mesmo sendo feriado, mas eu não estava conseguindo pregar os olhos. Eram onze horas quando me deitei na cama com o intuito de não pensar em você, pois o dia foi longo e sem espaço para a saudade, só que no silêncio do meu quarto pareceu difícil não recordar daquilo que eu não esqueço nunca, foi só fechar os olhos que a imagem daquele quinze de novembro de cinco anos atrás me invadiu a cabeça sem dar-me opção de não lembrar, éramos duas crianças no escuro da noite tentando ser gente grande, você me puxou para mais perto e eu ainda sou capaz de lembrar o cheiro do seu hálito, acho que eu nunca te contei, mas aquele foi o meu primeiro beijo. Cinco anos, repito para mim mesma, já faz cinco anos e eu ainda consigo sentir aquela mesma sensação só de relembrar. Virei e revirei na cama, fui ao banheiro, voltei, contei até cem, limpei minha mente e nada, você ainda estava ali grudado no meu crânio inteiro como se gritasse: não vou sair tão fácil, querida, e não saiu. Fechei os olhos, há cinco anos eu também estava sem conseguir dormir, mas era por culpa de uma alegria misturada com extasie e hoje é essa tristeza sem fim, dessas que esmagam o peito tirando o nosso ar, que não me deixa adormecer. Naquele dia fazia frio, porém não era por conta da temperatura que eu tremia. Você tinha gosto de tridente e aquele gosto ficou em mim por mais de uma semana, eu estava ali louca para me beliscar só para ter certeza de que aquilo era real, afinal, era você o meu príncipe encantado e aquele era o momento dos meus sonhos. Hoje também faz frio, só não sei se é lá fora ou aqui dentro. Agora são três horas da manhã e eu não consigo evitar as palavras, procurei por alguma indireta sua em todo possível lugar, mas você já deve ter esquecido. Pena. Eu ainda tinha esperanças de passar esse dia contigo, mesmo depois de tanto tempo. Sei que todo esse amor que sinto é em vão, não se pode amar por dois, sei também que não fomos feitos para dar certo, não podíamos ter tido outro final se não esse, mas ainda assim eu queria estar com você hoje, mesmo que fosse só para segurar suas mãos e apreciar o silêncio da noite igual há cinco anos. Eu ia te escrever um texto, mas acabei apenas desabafando, ou melhor, desabando em uma saudade sem medida.
Texto escrito dia quinze de novembro de 2012.

13 comentários:

  1. Mais um texto super lindo! (e triste)
    Consegui me imaginar na situação, e quase chorei lendo... Muito bonito!
    Beijo, tenha uma ótima sexta-feira
     Just Carol

    ResponderExcluir
  2. Novo perfil. E nova URL:

    http://sentimentosincontrolados.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  3. Eu diria que esse texto é super lindo, se eu não soubesse exatamente o quão doído deve ter sido tê-lo escrito.

    ResponderExcluir
  4. "Revivi ao relembrar"

    E essas lembranças vivas? Nós as fazemos dormir, mas elas uma hora ou outra acabam acordando trazendo consigo tudo aquilo que a gente insiste em deixar pra depois. Não tem como se livrar delas, elas dormem e acordam quando a gente menos espera.
    Ótimo texto, porém dá aquela dorzinha na gente, porque quando um sentimento não tem que dar certo e quando apenas um sente tão forte, doi mesmo. Você sempre FAZ SENTIR esse é um dom maravilhoso.

    www.eraoutravezamor.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Gostei imenso!
    Transmites o sentimento muito bem por palavras, e mostra algo que é importante para ti :)

    ResponderExcluir
  6. é lenda aquela história de que o tempo cura. ele só ameniza, mas curar, ele não cura. :x
    e a gente vai seguindo, com um sentimento vencido dentro do coração, mas que não se vai.

    ResponderExcluir
  7. A madrugada: sempre nos deixando a pensar em amores...

    Belo texto :)

    ResponderExcluir
  8. Com o tempo algumas coisas curam, outras não. Seu texto é lindo e triste.

    Beijos da sua nova seguidora. <3
    Desconstruindo Amélia

    ResponderExcluir
  9. Lembranças que atormentam e não nos deixam dormir... Acontece! Às vezes acho que escritores foram feitos para não dar certo com um propósito só, parece que Deus disse: "você nasceu para emocionar, ser feliz é segundo plano!". Escremos as palavras mais belas em noites tristes como esse 15 de novembro, para desengasgo de nossas almas e emoção para a dos outros. Sim, porquê eu me senti emocionada ao me deparar com esse texto e reafirmar pela enésima vez que a tristeza também é bela.

    Um beijo, Gabi.

    http://railmamedeiros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Me doeu tanto ler isso. Que nos próximos 15 de novembro você possa ter ao seu lado quem você realmente tanto ama.

    ResponderExcluir
  11. O pior é isso: não se pode amar por dois. Não se pode viver um relacionamento se a outra pessoa não quer ficar nele. Por que dói tanto, hein? Deveria ser mais fácil fechar um ciclo.

    http://osonhodeumaflauta.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  12. O pior é isso: não se pode amar por dois. Não se pode viver um relacionamento se a outra pessoa não quer ficar nele. Por que dói tanto, hein? Deveria ser mais fácil fechar um ciclo.

    http://osonhodeumaflauta.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  13. Lembra que eu te falei que ia dar um jeito de voltar a acompanhar seu blog? Então! rs Talvez não seja com frequência, afinal, trabalho e faculdade me impedem, mas enfim...
    Coloquei a leitura em dia, li todos os textos desde o último que havia lido, e você continua incrível, Gabi!
    Decidi comentar esse em especial porque foi o que mais me tocou, porque foi o que mais me espelhou. Minha história não é de cinco anos, mas acho que quando falamos de amor verdadeiro, o tempo não é a personagem principal, o tempo é indiferente.
    Força para nós, para que possamos nos reconstruir, também independente do tempo...

    ResponderExcluir

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.