Nova Perspectiva

22 de setembro de 2012

E aquele garoto que ia mudar o mundo*

Via reprodução
Sexta-feira, horário de pico, ônibus lotado, São Paulo é um caos ás seis da tarde, lá fora a poluição sonora domina o inicio da noite com essa competição de quem buzina mais, meu corpo implora por um lugar macio, pelo menos estou sentada, nessa hora o amontoado de gente já desobedece à lei de que dois corpos não ocupam o mesmo lugar no espaço. A janela está meio embaçada, o barulho da chuva se mistura aos gritos dos motoristas estressados após outro longo dia de trabalho e faz-me sentir ainda mais necessidade da minha casa, pelo menos amanhã poderei acordar depois do meio dia, os pingos do lado de fora começam a respingar no meu moletom, não importa.
Em minha frente uma mãe está sentada com seu filho no colo, que parece não se importar com toda aquela confusão, ele brinca com os cabelos da mãe, com cara de cansada, de repente sinto um aperto no peito parecendo esmagar a alma, outro dia era eu sentada no colo da minha mãe, brincando com seus cabelos ou quase adormecendo em seus ombros, como o tempo voa, olho para mim, estou á um passo de atingir a maioridade, faltam quatro meses para a fase colegial acabar para sempre, daqui a pouco serei adulta e ninguém me perguntou se é isso o que eu quero.
Sinto uma forte melancolia enquanto relembro dos anos passados, das pessoas que partiram e dos amigos que eu perdi, por algum motivo eu sinto vontade de chorar, não é bem tristeza, é só saudade dos momentos que não vão voltar a acontecer.
Desaprendi a sonhar, perdi a doçura, o encanto, a mágia. Em alguma época eu quis ser a Alice, mas tenho medo de coelhos. Em algum momento eu fui àquela criança sentada no colo da mãe sem preocupações com o trânsito, as buzinas e o ônibus lotado.
Aquela menina loirinha de jeito tímido e risada solta sonhava em mudar o mundo, queria que todas as crianças tivessem a sorte que ela tinha de ter uma casa quentinha, um quarto com alguns brinquedos e uma escola para poder aprender a ler e assim desfrutar dos mistérios das palavras, hoje essa menina sonha em entrar na faculdade, ter um emprego bom, casar e montar a sua família, mudar o mundo ficou no plano dos sonhos irreais, daqueles que ela só se lembra em uma sexta-feira chuvosa quando o passado bate em sua porta.
Não havia mais ninguém no ônibus, era a hora de descer.

-
*Música do Cazuza, Ideologia.

9 comentários:

  1. Acho que crescer é um processo muito natural... Um dia você é criança no colo da mãe e no outro, uma pessoa cheia de livros e contas pra pagar tendo que lidar com os problemas da família e os dramas amorosos... E acho também que você não pode desistir de mudar o mundo... Acho que a graça de crescer é que a gente percebe que não pode mesmo mudar o mundo to-do mas pode realizar coisas que vão mudar a vida das pessoas ao nosso redor e fazer com que a gente fique marcado na vida delas e que tudo valha a pena.

    ResponderExcluir
  2. Guria, isso é tão triste e melancólico... mas é bonito ao mesmo tempo. Todos temos de crescer. Porém, mais importante do que crescer é evoluir. Conseguir alcançar o próximo nível sem perder o que há de melhor em uma criança.

    ResponderExcluir
  3. Os ônibus e o dom misterioso de nos fazer pensar em tudo. Belo texto, acho que contém ai um pouco das histórias de tantas pessoas, eu mesma me encontrei ali, deixando de lado a ideia de salvar e mudar o mundo pra o plano dos sonhos e mergulhando sem salva-vidas nesse mar que é a vida, que é a realidade. Parabéns, um texto muito bonito e de palavras sinceras.

    www.eraoutravezamor.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. achei muito interessante o texto, uma leitura super agradável, imaginei cada frase do texto, super show !!
    Belo post, Parabéns !

    ResponderExcluir
  5. Nos lugares mais inesperados nos batem essas lembranças nostálgicas, ficamos sem saber o que fazer e ao mesmo tempo com saudade...
    Beijo

    ResponderExcluir
  6. Mas que doçura. Vale salientar que ainda dá tempo de mudar o mundo, mesmo que seja pouco, uma parte sua. :)

    ResponderExcluir
  7. A loucura do planeta e a sensibilidade de observar as pequenas vidas que estão ao nosso redor.
    Todos somos escravos do que desejamos e a liberdade vem dos sonhos que realizamos.


    Vale a reflexão e a leitura, sempre!

    ResponderExcluir
  8. Aaaah, que nostalgia, Gaby!
    Sempre estórias tão fofas...
    O layout já estava lindo, adorei este aqui também! :D

    ResponderExcluir
  9. Divido com você o sonho de mudar o mundo. Enquanto não consigo gente pra mudar junto a mim, vou mudando um pouco dentro da minha casa, com os meus alunos e os sobrinhos, acho que tem que ter um primeiro passo. Mesmo pequeno, é o primeiro de muitos.
    Belo texto!

    ResponderExcluir

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.