Nova Perspectiva

20 de julho de 2011

Codinome fome.

Não tinha mais de um metro e setenta, os olhos eram duas bolas negras fundas, magro que doía de olhar, os cabelos escuros enrolados já lhe batiam no ombro, vivia por entre os becos sujos da cidade grande, vestia-se com um trapo velho, calçava apenas um pé do sapato marrom, vez ou outra cambaleava ao andar, às vezes conversava consigo mesmo, aos olho alheios era invisível, quando escurecia deitava-se em um banco que deveria ser branco, mas já não era, olhava para o céu do centro encoberto pela poluição dos carros e ônibus e motos e gente, antes de adormecer pensava no passado, nos amores, no trabalho, nas festas, nos vinhos, nos hotéis, nas viagens, acabava dormindo, às vezes fazia frio daqueles de rachar os dentes, o governo deixava alguns cobertores ou o levava para albergues velhos onde comia algo e dormia em uma cama quente, mas gostava mesmo era de seu banco na praça, sexta antes de anoitecer também passava uma moça que lhe dava sopa, ele gostava das sextas.
Estava no meio de outros como ele, vestidos por trapos e calçados com apenas um pé de sapato, mas ele não misturava-se, gostava de ficar sozinho, alguns homens e mulheres vestidos bem às vezes lhes deixavam alguns trocados, para eles ele era só mais um viciado em álcool ou droga, ou ambos, ele raramente tocava no dinheiro, embora seu estômago roncasse pedindo por comida, ele preferia esperar pela mulher da sopa. Ninguém sabia sua história, seu nome, seu passado, lá, no meio de todos os outros, ele não passava de um homem cujo codinome era fome.


23 comentários:

  1. Um eterno mistério ;)
    Gostei!
    Feliz dia do Amigo,Lindona!
    Obrigada por fazer parte deste elo!
    Sua amizade é especial!
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. É "engraçado" como esses sujeitos são ignorados pela sociedade. É nesse momento que entra aquilo de julgar pela aparência. Dizemos que são bêbados, drogados, mas não procuramos entender a história de vida deles, não procuramos saber o porque de estarem ali. Triste, mas real.

    ResponderExcluir
  3. Descreveu perfeitamente o que penso... Eu tenho um texto parecido com esse perdido em algum papel... Escrevi na virada cultural aqui de São Paulo, quando meio alterada passei no meio da cracolândia. Dá um desespero isso. Se eu pudesse... Ah, eu ajudaria todos! Viciado. Abandonado. Largado. O que fosse! Ninguém vira alcoólatra por nada, nem viciado por nada, principalmente quem vai parar na rua. Uma vez eu ouvi a história de um desses caras, lá na galeria do rock, lembro bem do seu rosto e do seu nome, ele foi abandonado pela família por ter problemas mentais. Chorei tanto! É terrível isso, terrível!

    ResponderExcluir
  4. Passando para desejar um feliz dia do amigo. Beijinhos.

    ResponderExcluir
  5. Muito bom!! Ótima visão...semelhante a um trabalho que estou concluindo...gostei!

    []s

    ResponderExcluir
  6. Ah.. Se pudessemos ajudar todos aqueles que tem fome!! Belo texto.
    Beijos, flor.

    ResponderExcluir
  7. caramba, adorei esse texto... fazia tempo que eu não passava aqui e em nenhum blog, mas agora to voltando, acho.
    beijos e queijos

    ResponderExcluir
  8. Infelizmente o bicho homem vê apenas aquilo que lhe convém, salve raras exceções.
    Se pudéssemos abraçar o mundo, tudo seria diferente. Como isso não nos é cabível, façamos a mudança no meio em que vivemos, sempre.

    Um beijo na alma e passarei mais vezes aqui.

    ResponderExcluir
  9. A mania de julgar de muitos. Mal sabemos os verdadeiros motivos de uma pessoa se encontrar em tal situação.

    ResponderExcluir
  10. Eu concordo com a comentário acima.
    Julgar é muito fácil, o dificil é entender a dor de alguém e estender as duas mãos para ajudar.

    Ótimo texto!

    Sobre o comentário: Antes de tudo, obrigada pelo comentário e pelas visitas *-*.

    O filme é super legal, tu vai gostar, pois pela foto eu acredito que você gosta de rock, estou certa? *-*

    Beijos, se cuida.

    webcalcinha.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Menina! Que surpreendente um texto sobre algo tão NOTÁVEL nos dias de hoje.
    Deve ser isso, é tão comum, que ignoramos. O que é o erro maior, a ignorância.
    Literatura é também reivindicação.

    ResponderExcluir
  12. Pura realidade. Achei incrível a sua sensibilidade para descrever tão bem uma realidade como esta.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  13. Querida vim desejar um feliz dia do amigo atrasado.beijos!!

    ResponderExcluir
  14. adorei. alguns passam e nem vêem os mendigos, como se nem existissem..

    ResponderExcluir
  15. Gostei do tema, me deu uma ideia. (:

    ResponderExcluir
  16. Você descreveu bem o modo como grande parte da sociedade julga essas pessoas "viciados, drogados, bêbados e etc" só que nem sempre essas pessoas são assim e mesmo que sejam merecem respeito e deveriam ser ajudados pelo governo e que boa atitude a da moça da sopa, as pessoas deveriam ser mais as pessoas da sopa do que as do dinheiro. As vezes um pouco de atenção vale muito mais.

    ResponderExcluir
  17. Amigos um belo dia do amigo pra vcs... na musica do milton nascimento e fernando brant a belíssima _Canção da América_, nada pode representar melhor um amigo e a sua importância...

    Canção da América

    Amigo é coisa pra se guardar
    Debaixo de sete chaves,
    Dentro do coração,
    assim falava a canção que na América ouvi,
    mas quem cantava chorou ao ver o seu amigo partir,
    mas quem ficou, no pensamento voou,
    com seu canto que o outro lembrou
    E quem voou no pensamento ficou,
    com a lembrança que o outro cantou.
    Amigo é coisa para se guardar
    No lado esquerdo do peito,
    mesmo que o tempo e a distância, digam não,
    mesmo esquecendo a canção.
    O que importa é ouvir a voz que vem do coração.
    Pois, seja o que vier,
    venha o que vier
    Qualquer dia amigo eu volto a te encontrar
    Qualquer dia amigo, a gente vai se encontrar.

    depois disso é esperar que nossos corações emocionem-se com nossas amizades como emocionamo-nos qdo ouvimos esta declaração de amor, tão maravilhosamente interpretada na voz do meu querido milton nascimento.

    e esperar que cada um de nós escute o que fala o nosso coração...ate pq tudo que eu queria dizer eles já falaram, faço minha a voz deste gigante da nossa musica.

    beijinhos queridos um belo dia do amigo todos...

    ResponderExcluir
  18. E quantos destes não existem por aí... Pena que a sociedade não se importa e o governo fecha os olhos.

    Beijos

    ResponderExcluir
  19. Admito que não consegui me prender ao texto, desde quando vi a palavra Codinome no título não consegui parar de cantar cazuza.

    - me sinto uma tola -

    "Prendia o choro e aguava o bom do amor." ?

    http://amar-go.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  20. Sua perspectiva a respeito disso foi bem interessante. E gosto de ver textos assim, fora do padrão. Tudo fora. Gosto de textos fortes, como os seus. beijos.

    ResponderExcluir

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.