Nova Perspectiva

20 de março de 2011

Comum de dois.*

Olhava pro céu enquanto dava mais uma tragada em seu L.A, parado na varanda encarava a grande lua que sem medo de brilhar iluminava a cidade, jogou a bituca para fora do pequeno apartamento e tomou alguns goles de seu café adocicado, olhou para baixo e observou as pessoas que passavam por aquela rua suja, uma mulher com presa, um homem com uma criança no ombro rindo, um casal adolescente se abraçando, duas crianças correndo pela calçada, um menino caminhando cabisbaixo, dois adultos discutindo. Suspirou. Voltou para dentro e fechou a porta da varanda, foi até o espelho e pegou a foto jogada no chão, caminhou com o dedo pelos dois rostos adultos que protegiam o pequeno menino no centro, o garoto de olhos claros sorria enquanto segurava a mão da mulher loira, o homem estava com a mão no ombro do menino, ele também sorria. Expulsou algumas lágrimas presas em seus olhos. Ele não queria ser aceito pela sociedade, para está estava se lixando, ele queria ser aceito por aquelas duas figuras protetoras que diziam tanto amá-lo. Olhou para frente, fitou o próprio rosto, deixou a antiga fotografia de lado. Sentou ao chão. As vezes nem mesmo o amor é suficiente para aceitar as diferenças.
- Você está bem? - Perguntou o homem parado na porta.
- Vou melhorar. - Respondeu.
- Qualquer coisa chame, vou fazer alguma coisa para comermos.
- Ok.
Acendeu outro cigarro e olhou para baixo, fechou os olhos e teve em mente a pequena lembrança de uma entre tantas conversas com a melhor mãe
do mundo.
" Você me amaria se eu não fosse eu mamãe?"
"Eu te amaria de qualquer maneira meu filho."
Ironicamente naquela noite, sentado no chão, ele riu, sua ultima conversa com a mesma mulher não foi agradável.
"Você não pode ter nascido de mim, é uma aberração."
"Você não me ama mais mamãe? Você disse que me amaria de qualquer maneira."
Expulsou o restante das lágrimas, levantou e com lentos passos foi até a cozinha, o outro homem estava parado em frente ao fogão e mexia em alguma panela, o cheiro era agradável. Foi até o homem e o abraçou.
- Eu te amo. - Disse.
- Eu também. - Virou o rosto e deu-lhe um beijo.
- Macarrão?
- Com molho rose. - O homem sorriu. - Seu preferido.
E lá ele continuou abraçado ao homem, as lágrimas já haviam dado lugar ao sorriso e agora senti-se como a lua: capaz de iluminar toda a cidade.
Aquelas pessoas da foto já não tinham tanta importância, a única pessoa que tinha que aceita-lo já o aceitava: ele mesmo.



*Musica da Pitty.
**Texto inpirado na mesma musica.

16 comentários:

  1. Sou suspeita pra falar pois acho a pitty demais, e essa música é ótima!
    Gostei do que tu escreveu e usando um pequeno trecho da música:
    " Se transformou ôu ôu, se arriscou ôu ôu, reinventou e gostou. Ele se transformou!"

    Beijo.

    ResponderExcluir
  2. Lindo texto que, além de quebrar as regras da escrita e dos sentimentos, quebra também qualquer lei do preconceito.
    Excelente mensagem que você passou Gabi, parabéns!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Ainda bem que ele já descobriu o principal: a única pessoa que tem que nos aceitar somos nós mesmos.

    ResponderExcluir
  4. Você escreve muito bem, ja deve ter ouvido isso várias vezes. Palavras muito bem colocadas e eu adoro essa música da Pitty.
    Parabéns.

    ResponderExcluir
  5. "As vezes nem mesmo o amor é suficiente para aceitar as diferenças."
    Perfeito, parabéns.

    ResponderExcluir
  6. quebra de regras e conceitos,
    quebra da tangente natural em que a sociedade impõe.

    ResponderExcluir
  7. Acho tão legal, meninas tão novas, criativas assim a ponto de escrever um conto! Parabens moça!

    ResponderExcluir
  8. É complicado, mas primeiramente ele tem que se aceitar. Se a sociedade não o aceita, fazer o que? O jeito é ignorá-la e ser feliz.
    Adorei a história.
    :*

    ResponderExcluir
  9. As pessoas passam a nos observar e valorizar quanto nós mesmos nos aceitamos e damos conta do nosso ser, sem dar importância ao que as pessoas pensam/pensavam à nosso respeito.

    Indico o selo 71 para ti :D

    Beijos :*

    ResponderExcluir
  10. Gabi como sempre... Quebrando a previsibilidade padrão de certos escritos...

    Beijo!

    ResponderExcluir
  11. Oi, tem um selo pra voce aqui http://naexpressao.blogspot.com/p/premiacoes.html :*

    ResponderExcluir
  12. Nossa Gabi vc escreve muito bem, parabéns pelo talento menina!

    Tenha uma linda semana!
    Bjs & abraços!

    ResponderExcluir
  13. Escreves muito bem e sabes disso =)

    Um lindo dia pra ti, Gabinha!
    Beijo doce!

    ResponderExcluir
  14. Muito bom o texto, parabens!

    beijos ;)

    ResponderExcluir

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.