Nova Perspectiva

24 de março de 2011

Beijos, blues e poesias. *

Copos vazios, uma garrafa pela metade, dois corpos nus, bitucas de cigarros espalhadas, papéis amassados, e musica de fundo.
Quando finalmente criou coragem para abrir os olhos fitou duas grandes bolas azuis lhe encarando, ele era lindo, incrivelmente lindo, sorriu. As mãos grossas acariciavam-lhe a frágil coluna.
Levantou-se e buscou por suas roupas jogadas, vestiu-se, arrumou o cabelo despenteado, aumentou o volume do rádio, abriu as cortinas, sentiu a energia que vinha do sol, voltou para o chão. Acendeu um cigarro, encheu as taças com o vinho importado.
Abraçaram-se ao som de algo que desconheciam, blues, provavelmente, ele pegou os papéis espalhados, poemas antigos da época em que ainda escrevia. Entre um gole e outro, um beijo e outro, deixavam rolar algumas palavras.
- Por que você parou de escrever? - Ela indagou.
- Não sei bem, perdi a vontade, o motivo pelo qual eu escrevia se foi.
- Seus poemas são ótimos, você devia voltar a escrever. Aliás, qual era o motivo? - Ela sorriu procurando por alguma resposta na expressão dele.
- São poemas velhos da época em que meu coração doía, era esse motivo, era pra isso que eu escrevia, para tirar a dor de dentro de mim e passá-la para o papel, talvez até chegar à dividir com quem, na época, lesse.
- São todos realmente tristes, melancólicos. Por que não escreve algo bom?
- Nunca gostei de escrever sobre as coisas boas.
- E por quê?
- É uma coisa que não dá para explicar. Só expulso o que tenho de ruim dentro de mim, o que é bom eu guardo aqui dentro, só pra mim. Um pouco egoísta da minha parte, eu acho.
- Muito egoísta da sua parte.
Riram, beberam mais algumas taças, fumaram mais alguns cigarros e novamente se entregaram.
Ele levantou e caminhou para janela, olhou para o céu, ela levantou e caminhou até ele, passou o dedo pelas costas despidas em sua frente, o abraçou.
- Me diz, porque mesmo você parou de escrever? - Ela sorriu, como se ainda buscasse por uma resposta diferente.
- Porque eu parei de ficar triste, de sentir dor. - Ele sorriu, como se soubesse a resposta que ela procurava.
- Quando?
- Quando eu te conheci.
Ele virou e a agarrou pelos braços, e fez com que naquela manhã ela fosse dele. Mais uma vez.

* Musica da Ksis.

19 comentários:

  1. Ahhh que coisa linda de se ler. E sabe que é assim mesmo? Eu escrevia coisas bem mais fortes - e bonitas - enquanto doía.

    Acho que sou um pouco egoista. rs..

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Ooooooooooooun! *-*
    Eu gosto dessa música, e escutando-a lendo seu texto...
    a unica coisa, é que no final deu uma sensação de que ele falou somente para agráda-la... mas assim, vendo o contexto da para ver que não.


    ai, adorei! Beijo Gabi ;*

    ResponderExcluir
  3. MUITO, MUITO LINDO ! *-*
    eu acho muito mais difícil escrever sobre coisas boas do que escrever sobre coisas que triste, parece que eu sei mais trancrever a dor do que a algeria .. Talvez eu seja um pouco egoista também.
    Parabéns Gabs, lindo demais *-*

    ResponderExcluir
  4. Ahhh, que lindo!!! Bom é ler essas coisas.Gosto de blogs assim,intenso e autêntico.Beijos e um maravilhoso findi.

    ResponderExcluir
  5. Uma linda postagem, parabéns. Que legal. É muito gostosa essas histórias de amor. Beijinhos.

    ResponderExcluir
  6. Ah lindo Gabi!

    Menina vc sempre me encanta com suas
    historias, parabéns!!

    Bjs & abraços!

    ResponderExcluir
  7. Ah, o bom é quando encontramos esse alguém que faz tudo valer a pena, e nos preocupamos com outras coisas a serem externadas para o papel. Acontece.
    Um beijão!

    ResponderExcluir
  8. Quem escrever é sempre um pouco egoista. rs
    Adorei gabs!

    \õ/

    ResponderExcluir
  9. u_u Lindo, Gaaaaaaaaaaaabi :D
    O diálogo entre o casal foi muito sensível e romântico. As palavras foram ousadas e não se limitaram em surgir mas foram expressas no decorrer de todo o texto!

    Bom fim de semana!

    Com amor,
    |Cynthia|

    ResponderExcluir
  10. Historias de amor com um final feliz, sempre sao lindas.

    bjos ;)

    ResponderExcluir
  11. Adoro essa música :B
    Então Gabi, eu sou um pouco assim também. Me identifiquei com seu personagem. Dificilmente escreve sobre as coisas boas :B Acontece né rs. E muito lindo da parte dele assumir para ela que começou a ter coisas boas depois que conheceu ela *-*
    Adorei. Bgs e bom fds :*

    ResponderExcluir
  12. Menina, tuas histórias são incríveis. São fofas, boas de se ler e têm sempre algo criativo, diferente, no meio de tantas palavras. Lindo, lindo, lindo!
    ah, adoro essa foto, só que você cortou a parte mais interessante hahaha
    :***

    ResponderExcluir
  13. Gabi passei para desejar uma linda noite!
    Bjs & abraços!

    ResponderExcluir
  14. Até certo ponto, me encaixo na personagem masculina. Escrevo, na maioria das vezes, textos ou poemas tristes, depressivos, apenas para expulsar o que há de ruim em mim e, o que há de bom, guardo a sete chaves. Egoísmo puro rs
    Lindo conto Gabi!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  15. Os poetas são como as rosas,
    para pétalas um verso, para espinhos uma sensação.

    ResponderExcluir
  16. Nossa que blo encantador! ameeei mesmo de verdade.Seus post então *--*
    to seguindo já.

    Beijos

    paulabernardino.blogspot.com

    ResponderExcluir
  17. Perfeito... Todos os escritores tem esse lado meio individualista mesmo, nem diria egoísta rs..
    Muito belo.

    ResponderExcluir

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.