Nova Perspectiva

20 de fevereiro de 2011

Um amor pra sempre.

- Você...
- Por favor Noah, não diga nada, só me deixa falar tudo que preciso, depois você você fala, fecha a porta, me manda pro inferno, só me deixe vomitar tudo o que mantive preso esse tempo todo.
Olharam-se em silêncio, ela esperou por um tempo, perdendo-se naquele rosto que tanto lhe fazia falta, depois continuou: - Eu sinto sua falta. - A essa altura ela chorava, enquanto ele tentava não fazer o mesmo. - As vezes eu fecho os olhos e imagino como estaríamos se eu não tivesse estragado tudo, fui viver meus sonhos e não percebi que estav
a deixando o meu bem mais precioso, cada coisa que eu faço, até mesmo uma simples macarronada ao domingo, me remete à você, meu coração dói cada vez que eu lembro daquelas suas ligações de madrugada dizendo que estava com saudades, naquela época eu era feliz. Agora eu estou vazia, pois quando eu não estou com você é como se eu não estivesse comigo, eu achava que éramos dois, mas percebi que sempre fomos um, depois que eu fui embora passei a ser metade e ninguém vive de metades. Eu nunca te disse o quanto você é especial, o quanto o seu sorriso ilumina a minha vida, o quanto seus olhos me prendem, o quanto suas mãos me enlouquece ao me tocar, o quanto seu beijo me esquenta, nem o quanto sua presença faz meu coração disparar, nunca disse que foi você o primeiro a me fazer amar, o primeiro e único. Eu nunca te disse o que eu deveria ter dito e agora eu sinto falta de tudo em você. Eu ainda te quero, ainda te amo, mesmo depois de todo este tempo, mesmo depois de eu ter conquistado o que eu fui conquistar, mesmo depois dos novos amigos, dos novos novos lugares e da nova vida. Ah, Noah, eu daria tudo que eu conquistei para fazer a vida voltar a ser como era, eu faria tudo para poder te ter de volta.
Os dois, calados, se olhavam. Ela enxugou as lágrimas que lhe escorriam pela face e ele deixou que escapassem as que lhe cercavam os olhos, Noah também tinha muito o que falar, mas faltava-lhe voz, já havia se passado um bom tempo desde que a menina tinha ido viver seus sonhos em outra cidade, faziam-se anos que ela havia saído para conquistar um lugar na sociedade, sem ele.
Uma ruiva de cabelo ondulado desceu as escadas e agarrou-se aos ombros do rapaz, sorriu, a mulher vestia-se com uma longa camiseta, que, provavelmente, era dele.
- Olá. - Falou a ruiva.
- Desculpa incomodar, sou uma velha amiga.
- É ela, Noah?
- Sim. - Ele respondeu.
Natali, a menina, sabia que aquilo era esperado, ele já devia ter enfiado alguém do lado esquerdo da cama, era capaz que o espaço a mais no guarda roupa já tivesse sido ocupado.
- Acho que eu já falei demais, desculpe qualquer coisa.
Virou-se, contou o máximo de números que pode, e saiu, depois de dar alguns passos pode ouvir a porta se fechar nas suas costas, andou até virar a esquina, onde caiu sobre as próprias pernas, agarrou o rosto e deixou com que as lágrimas escorressem, os passos já não soavam mais em seus ouvidos, as vozes já não faziam mais parte, ela entregou-se ao próprio mundo, obscuro, doído, trancou-se em sua dor e por lá ficou, até que uma mão fria lhe tocou as costas, virou o rosto, mais por extinto do que curiosidade.
- Agora é a minha vez de falar. - Noah abaixou-se ficando na mesma posição dela. - Eu não acredito que ainda te quero mesmo depois de tudo que você fez, mas, ah minha menina, eu sinto falta do seu jeito de me olhar, da sua forma de deitar e de como fazia a minha mão ir parar em suas coxas no meio da noite. Sinto falta de quando me acordava na madrugada da segunda-feira dizendo que queria ser minha e que podíamos nos atrasar para o trabalho, porque valiamos o risco. Sinto falta de como conseguia comer a minha comida sem fazer careta, mesmo quando estava horrível, sinto falta, também, do seu jeito de rir enquanto assistíamos friends, do seu café amargo, do pão que você insistia em queimar, da forma como travava a porta para eu não entrar, do som da sua risada, do gosto da sua boca, de como você jogava os cabelos quando o vento passava e de como ficava pê da vida com a toalha em cima da cama. O seu lugar ainda espera por você. Eu te amo Natali, sempre te amei e sempre vou amar, você é tudo que eu preciso.
Com as lágrimas rolando e ambos de sorriso no rosto eles se abraçaram e aos beijos arrancaram suspiros de quem passava.
A ruiva estava do outro lado da calçada, talvez chorasse, não dava para ter certeza, mas havia um sorriso em seus lábios: quem resiste ao final feliz? Mesmo quando não é nosso.
Os dois continuaram lá, no meio do mundo, que apesar do tempo e dos desencontros, nunca deixou de ser somente deles. 

18 comentários:

  1. ''é único, é lindo, mesmo quando machuca, é lindo... ''

    Precisa dizer mais algo?
    lindo por demais, flor.

    bjoo

    ResponderExcluir
  2. Lindo.
    Bom.. O amor, é o amor, certo? rs

    ResponderExcluir
  3. "O amor, o amor... vem me dizer, que é você, o meu lugar♪"


    Lindo texto.

    ResponderExcluir
  4. Amo te ler...
    Parece que to vendo a história acontecer na minha frente...
    bjs*

    ResponderExcluir
  5. Que lindo! Que texto!
    Beijos meus e um bom domingo!

    ResponderExcluir
  6. Que texto lindo Gabi!
    Embora tenha seus riscos, prefiro sempre me jogar em nome do amor, deixo que suas asas fictícias me faça voar.

    Flor, tenha um lindo domingo!
    Bjs & abraços!

    ResponderExcluir
  7. Tem um memê literário pra vc no meu blog,
    olha lá: http://stagesofadolescentforever.blogspot.com/

    bjs

    ResponderExcluir
  8. Mais um conto fantástico!

    Tenho sido bom ou ruim. Muito bom ou muito ruim, no final da história...

    "Love hurts..."

    Beijo!

    ResponderExcluir
  9. Não sei se teves inspiração em 'O diário de uma paixão', ou simplesmente o nome Noah, me arremeteu ao filme. Enfim, amor é mesmo durável, e prazeroso até mesmo quando machuca. Raro, e uma benção.
    Beijoca!

    ResponderExcluir
  10. vai doer?
    não sei.

    a emoção de cair de cabeça paga os riscos.

    =)

    ResponderExcluir
  11. O amor é um pedaço de sonho derretido nos olhos. O café da manhã com cheiro de beijo e uma vontade absurda de estar sempre colado no outro.

    Lindo demais.

    beijo

    ResponderExcluir
  12. Gabi, tem um meme pra você lá no blog amor.
    Bgs :*

    ResponderExcluir
  13. Gabi passei para desejar uma linda semana pra ti!
    Bjs & abraços!

    ResponderExcluir
  14. Gabi, minha querida. Ficarei um tempo sem postar ou atualizar o meu blog. Deixei um pequeno aviso no blog... Espero que compreendas e leia. Querida, até breve.

    ResponderExcluir
  15. Incrível! Cada vez que eu venho aqui ler uma história, me deparo com algo que acontece/aconteceu em minha vida... Muito bem escrito, adorei mesmo Gabi!

    Beijo =*

    ResponderExcluir
  16. Devo dizer, Gabi, que esse foi o texto mais encantador que eu li em seu blog. As coisas escritas pareciam, ao meu ver, tão pessoais, por causa dos grandes detalhes que você criou. Incrivelmente lindo, é isso o que tenho a dizer.
    um beijo :*

    ResponderExcluir
  17. Perfeito *-*
    Estou te seguindo, siga o meu blog também: http://nithanaellas.blogspot.com/
    Beijos

    ResponderExcluir

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.