Nova Perspectiva

1 de fevereiro de 2011

O fruto do pecado - Parte 12.

- Acho este bem mais bonito.
- É rosa.
- Ah, mas é tão bonito.
- Se for um menino eu não vou deixar você por isso nele.
Os dois começaram a rir atraindo a atenção das pessoas.
Seis vendedoras de coque feito e avental azul passado encararam a menina.
Havia também outras quatro clientes na loja.
Todos olharam a barriga da menina que agora já estava de cinco meses, Leonardo apertou a mão de Júlia que tinha o olhar distante.
- Uma amarelo, olha. - Falou o garoto.
Nada foi respondido.
As dez mulheres cochicharam algo sobre a menina, palavras como “uma vagabunda, coitada e ele estragou a vida dela” foram perdidas no ar.
Leonardo aproximou seu corpo ainda mais do dela.
- E o verde? - Tentou distrai-la.
Mais uma vez ela ficou em silencio.
As mulheres pararam de cochichar.
As quatro clientes estavam gravidas e deviam ter em torno de vinte e seis e trinta e dois anos, Júlia era a mais nova.
Ela era a novidade da cidade, a distração dos fofoqueiros, a dona dos comentários e das mais terríveis calunias.
Leonardo puxou o braço da garota e os dois saíram da loja, do lado de fora ele a abraçou e algumas lágrimas escorreram do lado da menina.
O pior ainda estava por vir.
A próxima audiência havia sido marcada para daqui duas semanas, a cidade já estava sabendo de toda verdade, não dava para negar toda a historia. A garota já não estava mais sabendo lidar com as gracinhas e os xingamentos alheios, algumas pessoas chegavam até a garota e a abraçavam outras cuspiam depois dela passar, Leonardo já havia saído no braço com dois homens e Júlia brigado com três pessoas, Paulo havia sido demitido do colégio e a família dele quase não era vista na rua, algumas amigas de Júlia deixaram de falar com ela, apenas duas ou três continuaram ligando e indo na casa da garota, essas davam apoio. A situação estava complicada.
O dia da ultima audiência demorou a chegar, mas chegou.
Todos estavam sentados.
Os advogados esperavam seus clientes.
Júlia, Leonardo e Rita foram os primeiros a chegar.
12:00
A audiência estava marcara para o meio dia e meio.
12:15
O juiz era de outra cidade, não tendo assim laços com nenhuma das duas famílias,
12:25
Ele era novo e já havia decidido o que seria feito, esta audiência era apenas para não lhe restar duvidas do certo e errado.
12:30
Júlia passou mal e ficou um tempo no banheiro, algo dentro dela não estava com bom pressentimento.
12:45
Intuição feminina.
13:00
Todos estavam inquietos.
13:30
O juiz mandou os policiais atrás de Paulo.
14:00
Os policiais voltaram sem o Paulo.


Continua...

9 comentários:

  1. O.O tensa!

    ele fugiu? aaaaah me deixou aflita!

    *
    *


    Gabii como me envolvi com essa fic,
    aguardando ansiosamente a cont.

    Bjss flor, linda tarde pra vc@!!

    ResponderExcluir
  2. aii, meu Deus! Cadê esse canalha?!

    ResponderExcluir
  3. Nossa! Cadê ele?
    Estou adorando, e me envolvendo cada vez maaais *-*

    ResponderExcluir
  4. minha escritora preferida !

    selo comemorativo no meu Blog pra vocÊ
    www.cavernadopensamento.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Preconceito com uma garota grávida só por que ela é novinha...coitada de Júlia. Pelo menos ela tem o apoio de Leonardo.
    E cadê Paulo, hein? Fugiu? :O
    *ansiosa*
    ;**

    ResponderExcluir
  6. Selo comemorativo do Blog do Victor hehehe =P
    http://umamor-demenina.blogspot.com/2011/02/selo-comemorativo.html
    Beijos ;*

    ResponderExcluir
  7. ooi, amei seu blog! to seguindo aqui, se quiser sinta- se vontade pra seguir o meu :* http://sacltns2.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Carak o filha da mãe não foi --'

    indo ler a penúltima parte.

    ResponderExcluir

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.