Nova Perspectiva

20 de janeiro de 2011

O fruto do pecado - Parte 3.

Eram dez horas quando Júlia levantou-se, a casa – como de costume – estava vazia, a garota caminhou até o banheiro, lavou o rosto, prendeu o cabelo em um coque malfeito e desceu as escadas. Pegou o telefone e marcou sua primeira consulta médica. Fez um café meio amargo para desperta e sentou-se na varanda. Passou os dedos pela barriga e inevitavelmente sorriu. Fechou os olhos e se pôs a imaginar seu bebe, as brincadeiras, a primeira palavra, o primeiro sorriso. A campainha tocou.
- Paulo! – Disse a garota assustada.
- Olá querida, como você está?
- Bem, muito bem!
- Que bom, posso entrar?
O homem tinha em suas mãos alguns papéis que Júlia não conseguiu ver o que era, “algumas provas da escola” pensou a garota.
- Se for rápido.
- Estou com saudades. – Falou Paulo entrando.
- O que você quer?
- Só queria te ver, bem, como eu já disse: Estou com saudades.
- Seja sincero, pelo amor...
O homem não precisou responder para ter a garota mais uma vez em seus braços, em apenas um pequeno movimento ele encostou seus lábios nos dela.
Dela saia amor.
Dele desejo.
Uma mistura forte, quente.
As mãos de Paulo logo estavam tirando a blusa da garota, foi lá no meio da sala como tantas outras vezes que os dois mataram a saudade.

Fogo, paixão, desejo, atração.
Neste momento a mão de Paulo caminhava pela coluna da garota, a cabeça de Júlia estava deitada em seu peito, os dois estavam no chão.
- Querida esses dias eu pensei muito na sua situação e achei uma solução.
- Solução? Que solução?
- Olhe esses papeis. – Falou o homem entregando-lhe as folhas.
- Um monte de família. – Ela o encarou. – O que você quer com isto aqui?
- Bem, essas famílias são ótimas e estão atrás de uma criança para adotar, alguns topam até a adoção aberta, uma ótima ideia não é?!
- Você quer que eu dê meu filho, é isso mesmo?
- Pense bem meu anjo, será mais fácil...
- Eu não acredito seu imundo! – A menina já estava em pé e o volume de sua voz estava alterado.
- Você pode estar brava agora, mas irá ver que é a melhor solução. Eu posso conversar com as famílias e te ajudar a escolher.
- Eu quero que você vá embora e não volte nunca mais!
- Jú, querida, pense comigo. – O homem já estava vestido novamente. – Ele não terá um pai, afinal, eu não tenho certeza se ele é realmente meu filho, alem do que eu não preciso de outro filho, você sempre soube que eu tenho uma família e que os amo.
A mão da garota se disparou no rosto do homem. - Este filho é seu sim seu desgraçado!
- E daí querida? Que seja meu, eu não o quero e também não quero você pra sempre Júlinha!
- Eu achei que você... – A voz da menina falhou quando seus olhos foram surpreendidos com as lágrimas.
- Achou o que? Que eu te amava? – O riso de Paulo cercou a pequena sala. – Não seja burra garota, eu apenas me diverti, você sabe que é gostosinha e que arrasa na cama. Eu nunca falei que te amava, nunca falei nada parecido com isso! Eu amo a Esther, a minha mulher, é ela que eu amo Júlia e eu nunca falei que não a amava.
Nada mais foi dito, o silêncio agora dominava o ambiente e as lágrimas já escorriam pelo rosto de Júlia.
- Vá para o inferno. - Foi o melhor que a garota conseguiu dizer.

Paulo saiu deixando a porta fechada, Júlia continuou sentada com o corpo tremendo e as lágrimas escorrendo. Depois de um tempo a menina levantou-se e subiu para seu quarto escuro, deitou na cama e desta vez não passou a mão na barriga, fechou os olhos e dormiu.

Continua...

29 comentários:

  1. Uau, que texto bacana! Adorei a história, super envolvente!

    Meus parabéns...

    To seguindo seu Blog!
    Beijos
    http://tchutchando.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Noooofá que cara grosso, credo. Ah se eu fosse ela também batia nele, onde já se viu? Absurdo. Ainda bem que ela não aceitou. Cada vez mais interessante a história *-*

    ResponderExcluir
  3. Eita, acabei de sair daqui e tu já postou a outra parte, haha.
    Tô ficando com pena da garota, ela passando por uma barra, mas ainda espero um final feliz, sou otimista demais, hehe.

    Ah, te dei um follow no twitter.

    Bjs =)

    ResponderExcluir
  4. Nossa o cara não vale o chão que pisa.
    Que barra ela tem que enfrentar, alem de sozinha, tem que lidar com a decepção de amar quem não devia.

    ansiosa pelo desfecho.

    Bjs flor, parabéns pelas suas escritas.
    Vc tem um futuro lindo com suas escritas

    ResponderExcluir
  5. muito boa a história, vou esperar você postar mais. Adorei! Parabéns pelo blog

    ResponderExcluir
  6. Que triste, e que menina idiora -.-, pensando bem quem ama é sempre um pouco idiota (se não bastante), mas na situação dela (grávida) bem que ela podia ser um pouco mais racional.

    - Escreve muito muito imensamente bem gabs :**

    (Pelo jeito este conto terá algumas partes à mais que os outros, certo? :s)

    bjo.

    ResponderExcluir
  7. Sim sim flor, estou tentado fazer postagens pequenas. UAHSUAH D:

    ResponderExcluir
  8. tento pensar que não existe homens desse tipo no mundo, mas sei que só estou me iludindo.
    sempre bom, espero a continuação.
    beijos :D

    ResponderExcluir
  9. Um texto extremamente envolvente, apesar de eu nao ter lido as outras partes...Achei super bacana a descrição dos detalhes e talz, pouca gente consegue esse encanto ao escrever...

    Um beijo, M!sunderstood

    ResponderExcluir
  10. Nossa você consigou fazer do Paulo um persogem muito filha da puta mesmo?
    Adorei.

    Tadinha da Jú =/

    querendo, concerteza, a continuação =)

    (obs. adorei a sua foto do perfil)

    ResponderExcluir
  11. Adorei a história...
    Estou ansiosa para ler a continuação!

    http://suzanaaferreira.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Que liiiiiiiiiindo esse novo visual! e o post então! m-a-r-a-v-i-l-h-o-s-o
    http://garotasnasruas.blogspot.com/ passa lá?

    ResponderExcluir
  13. nossa que lindo esse texto *-*
    Bastante interessante, é de sua autoria é??
    Adorei ele =)

    ResponderExcluir
  14. É sim, todos os textos daqui são de minha autoria! *-*

    ResponderExcluir
  15. Posts grandes demais em Blogs sum grande problema, nem todos têm paciência, eu mesmo não curto muito, me desculpa.

    ResponderExcluir
  16. sua narração é intensa, achei muito bom mesmo sem ler a parte um e dois .... bem diferente vc usar o nome dos personagens Às vezes e outras vezes só 'garota' e 'homem' ....

    ResponderExcluir
  17. É para não ficar muito repetitivo, rs.

    ResponderExcluir
  18. Continua,continua!!Tô adorando!

    http://imodelblog.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  19. adoreei aqui.*-* Estou te presenteando com um selo, é só pegar lá no meu blog e seguir as regras. Bejos

    ResponderExcluir
  20. Primeira vez aqui no seu blog, e que lindo e aconchegante ele é, amei mesmo.
    Como esse post é uma parte três, vou ler os outros pra entender melhor!
    Abraços

    ResponderExcluir
  21. selo pra vc no meu blog!
    =)

    decauxthaisr.blogspot.com

    ResponderExcluir
  22. de nada, flor! eu é que agradeço pelo carinho que vem demonstrando pelo meu blog... eu só retribui çç

    aliás, teu blog é fofíssimo, viu?

    sim, eu pretendo ser jornalista e fiquei muito feliz ao ler seu comentário a respeito disso... obrigada!

    beijinhos hihi

    ResponderExcluir
  23. o PIOR é que existem caras assim, esperando a continuação..

    ResponderExcluir
  24. o PIOR é que existem caras assim, esperando a continuação..

    ResponderExcluir
  25. Gabs, tô adorando a história.
    Linda, como tudo por aqui.
    Amei o novo layout *-*
    Tem selinho pra ti no blog. Espero que goste.
    beijo grande ;*

    ResponderExcluir
  26. - eu tô amando a história *----*

    ResponderExcluir
  27. Terrivelmente real! Um assombro de verdades em conta gotas! Maravilhosa história!

    ResponderExcluir

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.