Nova Perspectiva

10 de janeiro de 2011

A mulher que não sentia.

Já tinham vinte e duas ligações perdidas no meu celular, aquilo estava ficando sério, ele estava se apaixonando por mim. Por mais que eu quisesse aquilo, não podia me arriscar, não cabia sentimento neste meu pequeno músculo. O celular tocou mais uma vez, eu precisava por um ponto final naquela situação.
- Alô.
- Oi querida.
- Precisamos conversar.
- Ih, lá vem problema. – Ele riu. – Onde?
- Naquele bar que fomos com seus amigos.
- Está certo, que horas?
- Ás sete.
- Então até lá, beijos.
- Até lá.
Desliguei o pequeno aparelho e caminhei até a janela, muitos culpam a vida. Separei uma roupa simples e entrei no banho, não gosto de fazer pequenas garoas virarem grandes tempestades, não aumento, não choro, não grito, não me estresso por bobeiras, sempre fui assim. Ou sempre quis ser assim, tanto faz.
Deixei que a água escorre-se pelos meus fios de cabelo, passei a mão por diversas vezes no rosto. Terminar um namoro nunca é fácil, é como chegar no final de um livro que poderia ter uma continuação maravilhosa, mas não tem. Sai do banho e me vesti, procurei pelo pente e fiz um rápido coque. Não estávamos nem há um mês juntos e ele já dizia que me amava, quando você sabe que ama alguém?
Peguei a chave do carro e dirigi até o pequeno estabelecimento, antes de entrar pensei em algumas palavras que o confortariam.
Andei com passos lentos até o homem de cabelos castanho escuro.
- Não posso ficar com você.
Ele me encarou surpreso, claro que eu podia ter me aproximado de outra maneira, ter lhe dado um ou dois beijos, ter dito que estava com saudades, como os outros casais fazem, mas eu não tinha sangue frio suficiente pra bancar a atriz.
- E por quê?
- Porque não posso ser apenas de uma pessoa.
- Por quê?
- Seria arriscado demais.
- Arriscado?
- Sim!
- O que seria arriscado?
- Entregar o meu coração a alguém que provavelmente não saberia cuidar dele.
- Então você tem medo de se apaixonar?
- Não se pode ter medo do que não se acredita.
- E você não acredita no amor?
- Prefiro não acreditar no que me dá medo.
- Mas...?
- É simples, não sou do tipo que abre espaço para sentimentos, meu coração não foi feito para guardar frescurinhas.
- Ele foi feito para o que então?
- Para fazer o trabalho dele, e é o que ele faz.
- O trabalho dele?
- Bombear o sangue do meu corpo.
- Apenas?
- Apenas.
Ele me fitou por alguns minutos em silêncio, esperei que ele falasse algo, mas nada foi dito, a conversa deveria ter acabado ali, eu deveria ter me levantado e ido embora como já havia feito milhões de vezes com outros homens, mas aquele rapaz de olhos intensos me prendia.
- Isso não é certo!
- O que não é certo?
- Você não amar;
- Errado é sentir dor e lutar para isso.
- Ninguém luta pra sentir dor!
- Quem ama luta.
- Você não sabe.
- Sei sim.
- Então é por isso que você tem medo.
- Não tenho medo.
- Tem sim, medo de alguém machucar o seu coração, de novo.
- Você está louco.
- Quem foi?
- Quem foi o que?
- Que despedaçou seu coração?
- Ninguém despedaçou o meu coração.
- Quem foi? – Insistiu.
- Um cara.
- Que era?
- O homem mais incrível de todos, ele me dava a melhor sensação do mundo, mas agora já não importa.
- Importa sim.
- Não importa não, já foi, é passado, já colei todos os caquinhos, meu coração está consertado e ele aprendeu.
- A não amar?
- A não ser burro.
O silêncio voltou a pairar sobre nós dois, aquelas perguntas me irritavam. Ele também.
- Você não pode fugir pra sempre.
- Fugir?
- Do amor.
Ele levantou e sem me dar tchau ou um beijo - como os casais recém separados fazem - se foi, eu estava sozinha naquele lugar vazio, tão vazio quanto o meu coração que, triste e solitário, só queria ser amado.

15 comentários:

  1. Lindo demais! *-*
    me reconheci em cada palavra. (:
    Eu pudi ver as cenas nitidamente em minha mente. lindo demais. (:

    ResponderExcluir
  2. Apesar de a história ser triste ,eu achei muito bonito o texto .
    Visita o meu blog?Fiz uns poemas novos

    RIMAS DO PRETO

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Fiquei até arrepiada com o final. Talvez por ter me visto nessa cena.
    Belo texto (;

    ResponderExcluir
  4. Lindo de mais!
    Imaginei cada cena triste mais sabemos o quanto é real.

    ResponderExcluir
  5. Eu queria ser assim às vezes. A personagem nada mais é do que sensata, mas ser sensato às vezes dói demais. E como sempre, eu amei. Beijos :*



    me visite também: railmamedeiros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Adorei o texto. Acho que sou um pouco assim também.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  7. .

    Não se pode, nem se deve fugir do amor. É inútil!
    Quando ele nos encontra, não há luta que o consiga destruir.

    Lindo seu texto!

    Beijos


    .
    .

    ResponderExcluir
  8. Muito bom! Apesar da frieza que colocou nas palavras, ficou incrivelmente melódico!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Muito lindo o texto, me identifiquei *-*

    bjus =*

    ResponderExcluir
  10. Esse texto foi um tapa na minha cara agora. rsrs

    ResponderExcluir
  11. "- Ele foi feito para o que então?
    - Para fazer o trabalho dele, e é o que ele faz.
    - O trabalho dele?
    - Bombear o sangue do meu corpo.
    - Apenas?
    - Apenas."

    Que perfeito!

    ResponderExcluir
  12. Eu estava sozinha naquele lugar vazio, tão vazio quanto o meu coração que, triste e solitário, só queria ser amado .. Esse foi Um Dos Melhores Texto Que Eu Já Li !! Lindo


    ResponderExcluir

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.