Nova Perspectiva

10 de janeiro de 2011

Como água e óleo.

Sentei na beirada do sofá e o observei dormir.
Você sabe quando é amor, você sabe quando seu coração sente falta de alguém que acabou de lhe deixar em casa, você sabe o significado daquele sorriso bobo no meio de seu rosto em uma tarde qualquer, você sabe quando o seu corpo estremece, consegue distinguir aquele arrepio gostoso, sabe o que quer dizer quando o seu coração parece não caber mais no seu peito, você sabe que é amor. Eu sabia.
- Bom dia meu amor. – Falei ao te ver abrir os seus gigantes olhos azuis.
- Bom dia querida.
Sua mão passou levemente pela minha face, havia um sorriso exposto em sua boca, mordi o canto esquerdo do meu lábio inferior.
- Adoro quando você faz isso.
- Isso o que? – Perguntei.
- Morde o lábio dessa maneira.
Corei. - É uma mania boba de quando eu era criança.
- Eu gosto.
Meu coração disparava com a sua presença, eu nunca havia sentido nada parecido com aquilo.
- O que você vê em mim?
Era impossível negar o fato deu não ser atraente e de você ser maravilhoso, mesmo eu não querendo aceitar nós não combinávamos, o cara que tem todas as meninas querem, a pequena nerd viciada em leitura, o cara que sai de noite, a menina que se tranca no pequeno apartamento sozinha, pois é assim que ela gosta de estar, o cara que curte a noite intensamente, que “pega” todas, que transa com várias, a garota que não liga para quantos já “pegou” e que na verdade não “pegou” muitos, porque nunca gostou desta historia de “pegar”, que se entrega quando o coração manda, que dá a alma e o frágil coração. Você era óleo e eu era água: uma mistura impossível.
- Eu não quero outro rosto bonito, eu não quero apenas alguém para abraçar, eu não quero desperdiçar o meu amor com alguém que jamais vai valer metade do que ele vale.
- E você quer desperdiçá-lo comigo?
- Não é um desperdício entregá-lo para você.
- É o maior desperdício de todos.
- Ju. – Ele se sentou ao meu lado no sofá e passou a mão em meus cabelos jogando para trás alguns fios que me atrapalhavam a visão. – Você é maravilhosa, você tem uma alma linda, um jeito encantador, tem um corpo incrível e um olhar que, meu Deus, qualquer um se perde aí dentro.
- Você está cego. Cego de amor.
Rimos os dois juntos, ele me puxou para junto de seu corpo e senti meus braços e pernas tremerem mais uma vez.
- Eu amo você.
- Somos de mundos diferentes, totalmente diferentes.
- Você ouviu o que eu disse?
- Sim. – Sorri.
- Então.
- Eu também amo você.
- É isso que importa Ju, e somente isso.
Nossos lábios se colaram e o choque foi inevitável, a eletricidade percorreu os nossos corpos como sempre acontecia quando ficávamos juntos, mais uma vez eu fui dele e ele foi meu.
Talvez a mistura água e óleo possa ir contra todas as leis da física e se misturarem. A gente podia.

15 comentários:

  1. Engraçado como procuramos para amar pessoas distintas de tudo o que conhecemos e somos. Mas é mais surpreendente ver que o amor não se limita ao que achamos ele sempre será maior e estará na história.
    Parabéns pelo texto, eu continuaria a história.

    http://ashygior.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Estás quilometros adiante da média. Vou acompanhar com carinho tua produção.

    ResponderExcluir
  3. Você está melhor à cada post gabi (:
    Parabéns.

    ResponderExcluir
  4. - Eu não quero outro rosto bonito, eu não quero apenas alguém para abraçar, eu não quero desperdiçar o meu amor

    Beatiful Soul - Jesse McCartney (:

    ResponderExcluir
  5. Sua escrita é um poço de profundidade, encanta!

    ResponderExcluir
  6. obrigado, obrigado sempre pela sua visita, seu sentir e suas palavras elogiosas, gabriela.


    belo post o seu!

    ResponderExcluir
  7. .

    Que lindo e emocionante texto!

    Em matéria de amor, tudo é possivel, inclusive ir contra as leis da física.

    Água e óleo se misturam, sim!

    .
    .

    ResponderExcluir
  8. Apersar de ser contra a textos feitos para outros blogs, por pemios. Eu te desejo boa sorte. Pra mim já ganhou você escreve muito bem. Nem precisa de concurso, se escolhas. Suas palavras formam textos adoravei e lindos. Cada dia melhor.

    Bjos flor.

    ResponderExcluir
  9. Florrrrr q texto lindoo
    emocionante
    seguindoo
    bjj

    ResponderExcluir
  10. O amor não tem polaridade... O amor tem vontade e coragem!
    Adorei...
    Um beijo, querida!

    ResponderExcluir
  11. Gabs, ficou lindo, como sempre *-*
    Tem selinho pra ti no meu blog.
    http://luciana-bernardo.blogspot.com/2011/01/selo-de-qualidade.html
    Espero que goste. beijo ;*

    ResponderExcluir
  12. Adorei o post! Muito bom!

    bjos

    Obrigada pelo carinho!

    ResponderExcluir

"A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar." — Antoine de Saint-Exupéry — Cative-me.